Usiminas tem prejuízo maior do que esperado no 2º trimestre

A companhia reportou nesta quinta-feira prejuízo líquido de 395 milhões de reais

SÃO PAULO (Reuters) – A Usiminas reportou nesta quinta-feira prejuízo líquido de 395 milhões de reais no segundo trimestre, revertendo resultado positivo de 171 milhões de reais um ano antes, afetada por queda em volumes e receita, em meio à retração da atividade econômica desencadeada pela pandemia de Covid-19.

O resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) caiu 63%, para 208 milhões de reais, com a margem Ebitsideda ficando em 9%, de 15% no mesmo trimestre de 2019.

Em uma base ajustada, o Ebitda ficou em 192 milhões de reais, declínio de 67% ano a ano, com a margem caindo pela metade, para 8%.

Estimativas compiladas pela Refinitiv apontavam, na média, prejuízo líquido de 170,15 milhões de reais e Ebitda de 218,18 milhões de reais.

Além do efeito da retração da atividade econômica, a Usiminas também citou como fatores para a queda provisão para contratos onerosos de insumos e serviços na unidade de siderurgia, relacionados aos efeitos da pandemia da Covid-19 no montante de 51 milhões de reais, provisão para créditos de liquidação duvidosa em 19 milhões também na divisão de siderurgia e provisão para reestruturação na unidade de bens de capital no montante de 19 milhões de reais.

De abril a junho, a receita líquida da Usiminas totalizou 2,4 bilhões de reais, uma queda de 34% ano a ano, com o volume de vendas de aço recuando 43%, para 608 mil toneladas, enquanto o de minério de ferros subiu 7%, para 1,9 milhão de toneladas.

O custo de produto vendido também caiu, 31%, para 2,1 bilhões de reais.

A companhia encerrou o trimestre com 2,5 bilhões de reais em caixa e equivalentes de caixa, um pouco mais do que o dobro do montante registrado um ano antes.

A dívida líquida consolidada em 30 de junho era de 3,7 bilhões de reais, uma elevação de 4,5% ante o final de março, em função da elevação da dívida bruta em razão da desvalorização do dólar ante o real, parcialmente compensada pela elevação no saldo de caixa e equivalentes de caixa em 5,6%.

O indicador de dívida líquida/Ebitda encerrou o trimestre em 2,2 vezes, de 1,7 vez no primeiro trimestre.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE