Negócios

Uma das pioneiras em ferramentas de design, Canva não quer ficar para trás na era da IA

Em 2022, o Canva registrou receita de US$ 1,7 bilhão, o sétimo ano de expansão consecutiva, e angariou mais de 65 milhões de novos usuários

Cameron Adams, do Canva: ainda há muito a desenvolver e aprender sobre as IAs (Canva/Divulgação)

Cameron Adams, do Canva: ainda há muito a desenvolver e aprender sobre as IAs (Canva/Divulgação)

Marcos Bonfim
Marcos Bonfim

Repórter de Negócios

Publicado em 4 de outubro de 2023 às 13h49.

Última atualização em 4 de outubro de 2023 às 14h18.

O mundo mudou desde novembro de 2022 e a plataforma Canva não pretende ser pega de surpresa na jornada impulsionada pela OpenAI e o seu ChatGPT. Uma das primeiras a oferecer ferramentas fáceis e acessíveis para que meros mortais criem as próprias artes visuais e materiais gráficos em 2012, a plataforma australiana está lançando um conjunto de soluções com inteligência artificial generativa nesta quarta-feira, 4

No linguajar popular, a proposta é mostrar aos usuários da plataforma que eles podem “pintar e bordar” usando as novas tecnologias, criando artes, apresentações e vídeos com o uso de IA. Algumas delas, em desenvolvimento ao longo dos últimos anos e outras planejadas nos últimos seis meses. O nome pomposo é  “magic studio”, um guarda-chuva que reúne dez produtos.

No novo momento das IAs, a indústria da comunicação aparece potencialmente como uma das afetadas, em várias pesquisas e estudos de mercado. Plataformas como o Midjourney, no Discord, e a Dall-E, da OpenAI, podem embaralhar o meio-campo para um negócio que praticamente não encontrou concorrentes de peso ao longo da última década.

Quais são os recursos que a empresa está trazendo

Nos últimos meses, a empresa já havia apresentado algumas funcionalidades, mas o time fica completo agora com a introdução de sete novos recursos. Os produtos incluem:

  • conversão instantânea de designs em diversos formatos com um único clique, traduzindo para diferentes idiomas
  • Transformação de texto em imagens e vídeos usando um modelo de IA de segunda geração
  • Uso de prompts ou mídia própria em vídeos e apresentações completamente projetados
  • Transformação de palavras e formas em novas cores, texturas, padrões e estilos
  • Seleção e separação de objetos em fotos para edição
  • Melhora de fotos após serem tiradas, permitindo que as imagens sejam ampliadas ou transformadas em verticais e horizontais
  • Criação de um marketplace com ferramentas de IA, como Dall-E, Imagen by Google, MurfAI

O que a IA mudou no negócio do Canva

A empresa não abre os valores investidos para o desenvolvimentos dos produtos. Mas em entrevista à EXAME, Cameron Adams, cofundador e Chief Product Officer, conta que a companhia fez um grande movimento para contar logo com as tecnologias.

"Nós dedicamos uma grande parte da empresa ao desenvolvimento do Magic Studio e para a evolução de nosso produto para a era da IA. Isso significa não apenas gastos financeiros em termos de infraestrutura, etc, mas realmente fazer com que nossas equipes entendam a tecnologia, brinquem com ela, experimentem e descubram como ela pode ser mais útil para nossos clientes", afirma.

Além disso, a empresa trouxe mais engenheiros e especialistas em aprendizado de máquina para os times. "Precisamos que os nossos profissionais tenham uma relação diferente com IA para que consigam incorporá-la rapidamente em nossos serviços". 

O Canva acabou de comemorar a sua primeira década de existência, e as novas soluções têm o objetivo de marcar território e sinalizar os próximos passos da empresa para garantir a próxima década. “Eu acredito que apenas arranhamos a superfície em termos de IA como tecnologia. Ainda há muito a desenvolver e aprender sobre isso. O que você vê agora não é o que o produto existirá daqui a 6 meses, um ano ou 5 anos”.

Qual é o tamanho do negócio da empresa

Além da resposta ao mercado, as movimentações da plataforma acompanham o crescimento nos últimos anos. Em 2022, o Canva registrou receita de US$ 1,7 bilhão e o sétimo ano de expansão consecutiva.

A empresa tem conseguido aproveitar a nova onda de interesse pela produção de artes visuais, impulsionada pela digitalização dos últimos anos, consumo de redes sociais e pela adoção pelas empresas. 

No ano passado, mais de 65 milhões de novos usuários começaram a usar a plataforma - número que só foi alcançado depois de oito anos de operação. A base do Canva conta com mais de 150 milhões de usuários mensais e mais 16 milhões de assinantes pagantes, como Zoom, FedEx, Salesforce, PayPal e Reddit.

O Brasil é o segundo maior mercado para a empresa, perdendo apenas para os Estados Unidos. De acordo com Adams, a plataforma cresce no país tanto entre os usuários individuais quanto com as empresas. "O Brasil é um dos nossos maiores mercados e tem uma das taxas de crescimento mais rápido", afirma. 

Acompanhe tudo sobre:DesignStartupsAustrália

Mais de Negócios

Volume de negociação com bitcoin atinge maior patamar em dois anos. Veja quem lidera

Esse carioca criou um banco no WhatsApp — que acabou de nascer, mas já movimentou R$ 13 milhões

Mercado de bubble tea dá origem a bilionários na China

Cartão de crédito consignado: o que é, como funciona e quem pode contratar

Mais na Exame