Sindicato pede afastamento de conselho da Embraer após fracasso em acordo

O processo acusa o conselho de ter permitido "espionagem" ao deixar que engenheiros da Boeing trabalhassem na unidade de pesquisa e desenvolvimento
Embraer: o acordo de venda da principal unidade da empresa para a Boeing fracassou, em uma ação que a fabricante brasileira de aviões afirmou se tratar de "má-fé" (Roosevelt Cassio/Reuters)
Embraer: o acordo de venda da principal unidade da empresa para a Boeing fracassou, em uma ação que a fabricante brasileira de aviões afirmou se tratar de "má-fé" (Roosevelt Cassio/Reuters)
R
Reuters

Publicado em 03/07/2020 às 18:40.

Última atualização em 03/07/2020 às 19:16.

O Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, no interior paulista, anunciou nesta sexta-feira abertura de processo para afastamento imediato do conselho de administração da Embraer, depois que o acordo de venda da principal unidade da empresa para a Boeing fracassou, em uma ação que a fabricante brasileira de aviões afirmou se tratar de "má-fé."

A desistência da Boeing em comprar o controle da divisão de jatos comerciais da Embraer forçou a empresa a buscar novos caminhos em meio à queda na demanda por viagens aéreas causada pelas medidas de isolamento social ao redor do mundo.

A Embraer afirmou que o sindicato "vale-se de insinuações infundadas e distorce informações de modo a confundir a opinião pública e os colaboradores da empresa." A companhia informou ainda que não teve acesso ao requerimento apresentado pelo sindicato à Justiça.

O processo acusa o conselho da Embraer de ter permitido uma "espionagem" sobre os negócios da empresa ao deixar que engenheiros americanos da Boeing trabalhassem na unidade de pesquisa e desenvolvimento da fabricante brasileira durante a época em que o acordo de venda da área de jatos comerciais parecia que iria de fato se materializar.

O conselho da Embraer "opera criando perdas bilionárias e repassando o custo de sua incompetência para os trabalhadores", afirma o sindicato no processo.

A Embraer afirmou que o sindicato "demonstra desconhecimento sobre a empresa e sua gestão."