Shopping Iguatemi terá lojas da Saint Laurent e Cartier

As lojas de luxo deverão abrir as portas nos próximos meses
Fachada do shopping Iguatemi: a grife Saint Laurent fará sua estreia no mercado brasileiro, com a primeira loja no país (FERNANDO MORAES/EXAME)
Fachada do shopping Iguatemi: a grife Saint Laurent fará sua estreia no mercado brasileiro, com a primeira loja no país (FERNANDO MORAES/EXAME)
C
Cátia Luz e Mônica Scaramuzzo

Publicado em 04/05/2015 às 09:02.

Última atualização em 28/11/2019 às 16:09.

São Paulo - Alheio à desaceleração da economia brasileira, que já afeta as vendas no varejo, o Shopping Iguatemi, da família Jereissati, está trazendo duas marcas de luxo - Saint Laurent e Cartier -, que deverão abrir as portas nos próximos meses.

"Trazer essas duas lojas reforça um simbolismo do Iguatemi: o de ser o mais importante do País, mesmo 50 anos depois de criar o conceito de shopping no Brasil", disse Carlos Jereissati, presidente do Iguatemi Empresa de Shopping Centers (Iesc).

A grife Saint Laurent fará sua estreia no mercado brasileiro, com a primeira loja no país. Já a Cartier expandirá sua presença, com a terceira loja, a segunda em São Paulo.

Jereissati disse que o atual cenário macroeconômico no Brasil não inibiu as negociações para a entrada de duas das mais importantes marcas de luxo no shopping.

Segundo ele, o atual momento, com o dólar valorizado frente ao real, inclusive, tornou os produtos de luxo vendidos no País mais acessíveis aos consumidores.

"Nos três primeiros meses deste ano, a diferença de preços entre os produtos de marcas de luxo comprados no Brasil e no exterior se estreitou, uma vez que boa parte das lojas tinha produtos em estoque adquiridos quando o dólar estava mais barato. Sem contar que aqui no Brasil, o consumidor pode parcelar a compra."

Mercado de luxo. Independentemente do cenário de arrefecimento da economia, o mercado de luxo cresce em todo o mundo.

A estimativa feita pela Bain & Company é de que, em 2014, o mercado de luxo no mundo tenha movimentado 865 bilhões de euros, incluindo todas as categorias (produtos de bens de consumo (relógios, óculos, bolsas e roupas), carros, hotéis, alimentos e bebidas, móveis, iates).

Carros e bens pessoais estão entre os principais itens adquiridos, movimentando 351 bilhões de euros e 223 bilhões de euros, respectivamente.