Apresentado por GERDAU

Shell e Gerdau criam joint venture para construção de novo parque solar

Expectativa é que o parque, que será construído em Minas Gerais, forneça 50% do volume produzido para unidades de fabricação de aço da Gerdau no Brasil
 (Gerdau/Divulgação)
(Gerdau/Divulgação)
e
exame.solutionsPublicado em 07/02/2022 às 18:53.

A Shell e a Gerdau acabam de firmar um acordo para a formação de uma joint venture que prevê o desenvolvimento, a construção e a operação de um novo parque solar em Minas Gerais.

A expectativa é que ele comece a ser construído no ano que vem, assim que o acordo for aprovado pelas autoridades que estabelecem premissas para a atividade da joint venture na geração e contratação de longo prazo para a aquisição de energia limpa.

O parque, que deverá ter capacidade instalada de aproximadamente 260 MWp, fornecerá 50% do volume produzido para unidades de fabricação de aço da Gerdau no Brasil, na modalidade de autoprodução. A outra metade será negociada no mercado livre por meio da Shell Energy Brasil, a comercializadora de energia da Shell.

A parceria poderá viabilizar o desenvolvimento de aproximadamente um terço da capacidade total do parque solar. A Shell seguirá buscando outros clientes de longo prazo – autoprodutores, por exemplo – para endereçar o volume remanescente do complexo.

A iniciativa com a Gerdau está alinhada à estratégia global do Grupo Shell de oferecer soluções de energia limpa a clientes e avançar na descarbonização, representando mais um importante investimento na jornada pela transição energética.

Compromissos com o meio ambiente
Em 2021, o Grupo Shell firmou publicamente o compromisso global de atingir emissões líquidas zero até 2050, com a meta complementar de redução de emissões absolutas em 50% até 2030 em comparação a 2016.

Para a Gerdau a iniciativa também está alinhada ao compromisso da empresa de reduzir suas emissões de gases de efeito estufa dos escopos 1 e 2 de seu inventário, para 0,83 t de CO2e por tonelada de aço, valor 50% inferior à média global da indústria do aço.

Hoje, a empresa possui uma das menores médias de emissões de gases de efeito estufa (CO2e), de 0,93 t de CO₂e por tonelada de aço, quando comparada com a média global do setor, de 1,89 t de CO2e por tonelada de aço, segundo os dados de 2020 divulgados pela World Steel Association (worldsteel).

“Estamos dando mais um importante passo na construção de um portfólio robusto em energias renováveis no Brasil, reforçando a diversificação de nossos negócios, sempre em linha com nosso propósito de prover mais energia e de forma cada vez mais limpa”, comemora Guilherme Perdigão, diretor de renováveis e soluções de energia da Shell Brasil. “Ficamos muito contentes com essa parceria estratégica e orgulhosos pelo reconhecimento na Shell como player importante no desenvolvimento de soluções em energia limpa, de forma confiável e competitiva.”

Juliano Prado, vice-presidente da Gerdau, complementa que este segundo parque solar em parceria com a Shell reforça o compromisso da empresa de reduzir significativamente as emissões de gases de efeito estufa nos próximos anos no Brasil e no mundo, construindo um futuro mais sustentável para todos.

“Nossos investimentos em energia renovável fazem parte de um plano mais amplo de diversificação de negócios complementares ao aço. Estamos avaliando também oportunidades em energia eólica nas Américas”, afirma Prado.