Odebrecht ratifica que segue no consórcio do metrô de Quito

A Odebrecht acrescentou ainda que qualquer negociação com seu sócio será realizada "internamente, sem afetar de nenhuma maneira a execução do projeto"

Quito - A Odebrecht ratificou nesta sexta-feira que continua no consórcio que constrói o metrô de Quito, junto à empresa espanhola Acciona, informou a construtora brasileira em comunicado.

"Como foi informado ao público, a Odebrecht notificou oficialmente em abril sua permanência no consórcio que constrói a segunda fase da linha 1 do metrô de Quito e ratifica seu compromisso de concluir as obras no prazo e com a qualidade esperada", declarou a construtora.

A Odebrecht acrescentou ainda que qualquer negociação com seu sócio será realizada "internamente, sem afetar de nenhuma maneira a execução do projeto".

O comunicado foi emitido depois que, em Madri, a Acciona afirmou que arcará sozinha com as obras da segunda fase do metrô de Quito, uma vez que as autoridades tenham autorizado a saída da Odebrecht, envolvida em um escândalo de corrupção.

Durante a apresentação a analistas das contas do primeiro trimestre, o diretor de Desenvolvimento Corporativo da Acciona, Juan Muro-Lara, explicou que os dois sócios pediram autorização para a saída do grupo brasileiro do consórcio e que esta lhes foi concedida no final de abril.

"Estamos dando os passos legais para completar esta transição no consórcio", completou o executivo.

No último dia 29 de abril, o diretor da Odebrecht no Equador, Mauro Hueb, afirmou em um comunicado que a "prioridade" da empresa era finalizar as obras do metrô de Quito e que a cessão de sua participação no consórcio com a Acciona e sua saída do mesmo estava suspensa desde 4 de abril.

Por sua parte, na quarta-feira passada, o prefeito da capital equatoriana, Mauricio Rodas, assegurou que os problemas enfrentados pela Odebrecht não afetavam os trabalhos que realiza para a primeira linha do metrô da cidade junto com a Acciona.

No dia 28 de abril, o prefeito tinha dado como certa a reorganização do consórcio, já que não tinha recebido objeções dos organismos multilaterais que financiam o projeto.

A obra do metrô de Quito, cujo projeto abrange 22 quilômetros de túnel e 15 estações, foi adjudicado ao consórcio hispano-brasileiro em 2015 por mais de US$ 1,5 bilhão.

Em dezembro do ano passado, a Justiça dos Estados Unidos revelou que a construtora brasileira tinha admitido ter pagado US$ 788 milhões em subornos em 12 países da América Latina e da África.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.