Norsk Hydro retoma parcialmente produção da Alunorte no Pará

O grupo havia anunciado na última quarta-feira o fechamento provisório desta fábrica por falta de autorização para fazer um novo depósito de resíduos

A empresa norueguesa Norsk Hydro retomará parcialmente a produção na Alunorte, a maior fábrica de alumina do mundo, situada no estado do Pará, depois de obter uma permissão do governo brasileiro, anunciou a empresa nesta terça-feira em comunicado.

O grupo havia anunciado na última quarta-feira o fechamento provisório desta fábrica, determinante para a rede de produção, por falta de autorização para fazer um novo depósito de resíduos.

Este anúncio pesou gravemente sobre as ações da Norsk Hydro, que havia informado sobre "consequências operacionais e financeiras significativas".

O governo brasileiro concordou na sexta-feira em conceder uma autorização excepcional para o uso de uma nova tecnologia, um filtro que permite limitar o volume de água nos resíduos, prolongando a vida útil do depósito existente, segundo a Norsk Hydro.

Desde março que a Alunorte apenas produz 50% de sua capacidade, a pedido das autoridades brasileiras, que acusam o grupo de ter contaminado a água no município de Barcarena, no Pará. A empresa nega.

Com uma capacidade superior a 6 milhões de toneladas por ano, a Alunorte - empresa que a Norsk Hydro controla 92,1% - representa cerca de 10% da produção mundial, à margem da China.

A alumina, extraída da bauxita, é o principal componente do alumínio.

As dificuldades da Alunorte provocaram a queda na produção da mina de Paragominas, que fornece bauxita à fábrica, e da usina de fundição de alumínio de Albras.

A Norsk Hydro e o governo brasileiro assinaram no começo de setembro um acordo para saldar o litígio meio ambiental, mas o grupo ainda não foi autorizado a retomar 100% da produção.

Segundo o grupo norueguês, as discussões com o governo continuam.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.