Nem Microsoft, nem Twitter: quem deveria comprar o TikTok é a Netflix

Segundo a CNBC, vídeos produzidos pelos usuários são a maior ameaça à rede de streaming, que tem condições de pagar US$ 30 bilhões pelo app chinês

Já está ganhando ares de novela. As negociações para a compra da operação americana do TikTok, rede social chinesa que virou uma febre entre jovens do mundo inteiro, pode ganhar um novo protagonista: a Netflix. Até o momento, Microsoft e Twitter disputam o controle do aplicativo, mas, segundo a rede de TV americana CNBC, faria mais sentido para a rainha do streaming incorporar o serviço. 

A ByteDance, dona do TikTok, não quer vender a operação, que tem um potencial de lucratividade superior a YouTube e Instagram, segundo o jornal The Wall Street Journal. Porém, um decreto do presidente americano Donald Trump pode forçar a negociação. Trump, em sua guerra pessoal contra as empresas chinesas, determinou o banimento do app chinês em 45 dias, ordem que será revogado caso uma companhia americana assuma o controle da operação. 

Para o presidente americano, a rede social, que possui mais de 100 milhões de usuários nos Estados Unidos, usa o aplicativo para espionar os cidadãos. 

Há algumas semanas, começaram a surgir rumores de que a Microsoft estaria interessada no negócio. O valor da aquisição gira em torno de 30 bilhões de dólares, para as operações da rede social nos Estados Unidos, no Canadá, na Australia e na Nova Zelândia. No final desta semana, o Twitter também apareceu como candidato

Um artigo publicado na CNBC, no entanto, coloca a Netflix como a empresa que teria mais a ganhar com a aquisição. O motivo é a competição do streaming com os vídeos caseiros. O presidente da rede de streaming, Reed Hastings, afirmou que os videogames e os vídeos curtos gerados pelos usuários são as maiores ameaças ao negócio da empresa, mais do que competidores como Disney+ e HBO Max, plataformas de streaming recém-lançadas por duas gigantes do entretenimento televisivo. 

“Muitas pessoas preferem jogar videogame ou assistir vídeos no YouTube em vez de assistir uma série ou um filme”, afirmou Hastings recentemente, em um podcast. Além de ser uma febre entre adolescentes, o TikTok adota um modelo de publicidade inovador, que força as marcas a produzir conteúdo original, estilo mais aceito pelo público jovem. Isso permitiria à Netflix, que sempre se negou a incluir publicidade em sua plataforma, a diversificar suas receitas.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.