Negócios

O reparo antes de 'rampar': Mecanizou investe R$ 20 mi para mudar tudo e ir além da zona norte de SP

Criada na zona norte, startup investida da Monashees passa a operar nas outras regiões de São Paulo e em Guarulhos

Ian Faria e André Simões: a receita da operação vai crescer 4 vezes (Mecanizou/Divulgação)

Ian Faria e André Simões: a receita da operação vai crescer 4 vezes (Mecanizou/Divulgação)

Marcos Bonfim
Marcos Bonfim

Repórter de Negócios

Publicado em 23 de maio de 2024 às 08h01.

Última atualização em 23 de maio de 2024 às 16h37.

Tudo sobreStartups
Saiba mais

A Mecanizou começou o ano passado recebendo um cheque de US$ 14,5 milhões, o equivalente a R$ 76 milhões, em rodada série A liderada pela Monashees e com participação da Alexia Ventures, FJ Labs e Dalus Capital. No mercado desde 2021, a startup procura digitalizar a relação costumeiramente turbulenta e morosa entre mecânicos, oficinas e fornecedores de autopeças. Faz isso a partir de um marketplace exclusivo para o setor. 

Mas na hora de acelerar e avançar para além da zona norte, onde começou a operação, a empresa precisou rever o modelo. O movimento fez com que, após crescer 10 vezes em faturamento em 2022, a startup diminuísse o ritmo e fechasse com 45% de alta em 2023. 

“Nós começamos a abrir o serviço para poucas oficinas em algumas zonas para conhecer os problemas de cada região e aprendemos muito. Descobrimos que precisávamos reconstruir algumas estruturas que nós chamamos de fundacionais”, afirma Ian Faria, cofundador e CEO da startup. “Tínhamos que ajustar a tecnologia, para ser escalável, a integração dos fornecedores e arrumar a experiência, para a proposta de valor ser tangível”. 

No processo para arrumar a casa, a startup reforçou o time com profissionais mais experientes e começou a fechar lacunas para atender negócios de diferentes tamanhos e perfis de demanda. Na lista de procedimentos, eliminou ações manuais, que dificultavam eventuais reparos, e facilitou a integração dos fornecedores de peças com a plataforma para evitar quebras na operação.

Para onde a Mecanizou está ampliando a operação

A reforma consumiu cerca de 30% do capital obtido na rodada - ou cerca de R$ 22,8 milhões. “Faz um mês que estamos super preparados para a expandir a operação”, diz Faria. 

O próximo passo é oferecer o serviço em todas as regiões da capital e ainda em Guarulhos, uma das principais cidades da região metropolitana do estado. 

Com uma base de 1500 oficinas, a startup quer chegar a 5000 até o fim do ano. No banco de dados, a Mecanizou conta com mais de 1 milhão de peças, oriundas de mais de 300 fornecedores.

De acordo com o CEO, a partir das novas integrações, os pedidos estão nas mãos de mecânicos e oficinas em até 55 minutos - e podem ser acompanhados, assim como  acontece em plataformas como o iFood. “Hoje, nós conseguimos ter a mesma qualidade de entrega da zona Norte em Guarulhos e nas outras regiões. A nossa proposta de valor está sólida para poder entregar isso para as oficinas”, diz Faria.

Os novos rumos devem ajudar o negócio a voltar a taxas exponenciais de crescimento. A expectativa é de crescer 4 vezes sobre o resultado do ano passado. “Nós estamos investindo um capital forte para poder absorver a demanda do mercado porque ela existe. Agora, é só questão de Mecanizou absorver. Nós tínhamos entre 800 e 1000 oficinas na fila de espera”, diz o empreendedor. 

De acordo com o Sindipeças, sindicato do setor, esse mercado deve movimentar mais de R$ 247 bilhões ao longo de 2024.

Quer dicas para decolar o seu negócio? Receba informações exclusivas de empreendedorismo diretamente no seu WhatsApp. Participe já do canal EXAME Empreenda 

Como surgiu a Mecanizou

A etapa de validação recente guarda semelhança com o período de fundação da startup. Antes de baterem o martelo sobre o modelo de negócio, Faria e o sócio André Simões visitaram mais de 70 oficinas e viram a oportunidade de facilitar a vida dos mecânicos a partir de um marketplace.

Os dois haviam trabalhado juntos nos primórdios da Clickbus. Faria continuou na área automotiva, passou pelas mexicanas iVoy e Kavak. Quando decidiu empreender, chamou o amigo, que acumulava experiências em desenvolvimento de produtos na Enjoei e Quero Educação.

O ponto em comum era o desejo de trabalhar com  “economia real”, e o conhecimento do mercado automotivo fez com que olhassem para o elo mais importante e frágil da cadeia, o mecânico. “Antigamente, ele ligava e comprava a peça. Agora, a única mudança é o uso do WhatsApp”, afirma Faria. 

A startup entrou em operação em meados de 2021, em Santana, bairro da zona norte de São Paulo. Meses depois, em janeiro em 2022, recebeu US$ 4 milhões em rodada seed, também liderada pela Monashees.

Acompanhe tudo sobre:StartupsAutomobilismoCarros

Mais de Negócios

Inteligência Artificial no Brasil: inovação, potencial e aplicações reais das novas tecnologias

Mundo sem cookies: as big techs estão se adequando a uma publicidade online com mais privacidade

Ligadona em você: veja o que aconteceu com a Arapuã, tradicional loja dos anos 1990

A empresa inglesa que inventou a retroescavadeira vai investir R$ 500 milhões no Brasil — veja onde

Mais na Exame