Kavak, startup de venda de carros usados, demite 150 funcionários no Brasil

O unicórnio mexicano de compra, reforma e venda de carros usados é avaliada em US$ 8,7 bilhões
 (Kavak/Divulgação)
(Kavak/Divulgação)
I
Isabela Rovaroto

Publicado em 14/06/2022 às 16:49.

Última atualização em 14/06/2022 às 16:52.

O unicórnio mexicano Kavak desembarcou no Brasil no ano passado e apresenta dificuldades para manter seu ambicioso projeto de expansão. Ao menos 150 funcionários em São Paulo e no Rio de Janeiro foram demitidos desde março. Procurada pela EXAME, a companhia disse que não vai comentar o assunto.

A Kavak trabalha com a compra de carros usados por meio de seu aplicativo, além de reforma e venda dos veículos com a opção de financiamento de médio prazo. A startup também tem operações no México e na Argentina.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio

De acordo com o Estadão, ex-funcionários afirmam que os desligamentos aconteceram em função do mau desempenho do negócio.

Em São Paulo, onde a startup iniciou suas operações no Brasil, mais de 50 funcionários foram desligados desde o início do ano. A capital paulista abriga, além das unidades de vendas, escritórios de operações logísticas e de marketing.

No Rio de Janeiro, 50 de 180 funcionários foram desligados da loja de automóveis em Nova América. Outros cortes foram realizados nas unidades de Botafogo e Nova Iguaçu.

No início do mês, a Kavak abriu operações em Belo Horizonte, depois de reduzir as operações em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Em setembro do ano passado, a empresa anunciou a quinta rodada de investimentos de US$ 700 milhões para continuar a expansão na América Latina e o valuation era de US$ 8,7 bilhões.

A venda de automóveis usados no Brasil, setor de atuação da Kavak, encolheu no último ano. Segundo dados da Fenabrave, a comercialização desse tipo de veículo encolheu em quase 13% entre maio deste ano e o mesmo mês no ano passado.

VEJA TAMBÉM:

Forever 21 faz liquidação e deve fechar lojas no Brasil

Justiça reverte decisão de falência do grupo Ricardo Eletro

“Rainha do vaso sanitário”, ela comanda um negócio de R$ 1 bilhão

Fusão de hrtechs: Mereo compra Vaipe e quer impactar 1 milhão de profissionais