Negócios

Multa e suspensão: Taurus fica de fora de licitações de armas em SP

Medida foi determinada após um processo administrativo aberto em 2014, sobre falhas no funcionamento de armas de fogo fornecidas para a PMSP

Taurus: Em nota, a empresa diz que a PMSP quer prejudicar a fabricante de armas (Diego Vara/Reuters)

Taurus: Em nota, a empresa diz que a PMSP quer prejudicar a fabricante de armas (Diego Vara/Reuters)

Janaína Ribeiro

Janaína Ribeiro

Publicado em 19 de maio de 2020 às 20h12.

Última atualização em 19 de maio de 2020 às 20h31.

A Taurus, fabricante de armas, está impedida de participar de licitações do governo do estado de São Paulo. A empresa foi multada em  R$ 12,674 milhões referente um processo sobre falhas no funcionamento de armas de fogo fornecidas para a Polícia Militar de São Paulo. A ação é sobre contratos de fornecimento de 3.698 pistolas entre os anos de 2007 e 2011.

Procurada por EXAME, a fabricante afirmou que "a Polícia Militar de São Paulo mais uma vez prejudica a Taurus com uma decisão administrativa de primeira instância que pretende suspender o direito da Companhia de contratar com a administração pública de SP".

A empresa ainda disse que tomará todas as medidas administrativas e judiciais cabíveis para a reversão da penalidade aplicada, e que "não há evidências técnicas ou fundamentos jurídicos que permitam a penalização da companhia". 

A Taurus também reitera que equipa todos os Policiais Militares de São Paulo há mais de 10 anos, e que "apesar de sua manutenção precária por todos esses anos, acha no mínimo estranho a aplicação dessas penalidades nesse momento, pois a PMESP continua utilizando pistolas Taurus".

 

 

Acompanhe tudo sobre:Estado de São PauloIndústria de armasPolícia MilitarTaurus

Mais de Negócios

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Mais na Exame