MRV tem alta em vendas e lançamentos no 3º trimestre

Entre julho e setembro, as vendas contratadas da companhia subiram 5,7 por cento sobre um ano antes, a 1,47 bilhão de reais

São Paulo - A construtora e incorporadora MRV, que tem foco no público de baixa renda, viu avanço anual em vendas e lançamentos no terceiro trimestre, citando a continuidade da resiliência no segmento econômico diante de baixo desemprego e menos concorrentes no mercado.

Entre julho e setembro, as vendas contratadas da companhia subiram 5,7 por cento sobre um ano antes, a 1,47 bilhão de reais, ajudadas pelo crescimento de 8 por cento no preço médio por unidade, a 146 mil reais.

Já os lançamentos da companhia cresceram 17,3 por cento na mesma base, a 924 milhões de reais.

Segundo o copresidente da MRV Rafael Menin, o cenário para os imóveis voltados para baixa renda continua positivo apesar da desaceleração da economia e da volatilidade no mercado com as eleições, se apoiando sobre fatores como o baixo nível de desemprego e menor concorrência no segmento.

"O nosso cliente é cliente que compra por necessidade, é cliente do primeiro imóvel", afirmou. "Então se ele está empregado, se o valor da parcela é igual ou mais barato que o aluguel e ele tem oportunidade de comprar, ele vai comprar."

No acumulado dos nove primeiros meses do ano, as vendas contratadas da companhia subiram 17,1 por cento sobre mesma etapa de 2013, a 4,5 bilhões de reais, enquanto os lançamentos subiram 43,8 por cento, a 3,1 bilhões de reais.

Os números da companhia são divulgados após a construtora e incorporadora Cyrela, mais voltada para a média e alta rendas, ter revelado nesta semana queda em lançamentos e vendas no terceiro trimestre.

Aval dos Bancos

Na comparação com o segundo trimestre, contudo, as vendas contratadas da MRV recuaram 3,4 por cento, com os lançamentos caindo 11,8 por cento.

A velocidade de vendas medida pelo indicador VSO (vendas sobre oferta) foi de 26 por cento no período, repetindo desempenho do trimestre anterior e ficando abaixo do patamar de 28 por cento em igual etapa do ano passado.

À Reuters, Menin afirmou que o desempenho trimestral acabou sendo afetado pelo aumento das vendas simultâneas, fechadas apenas mediante aprovação de crédito. Mais demoradas, elas passaram a responder por 42,8 por cento do total, ante apenas 3,5 por cento um ano antes e 16,5 por cento no segundo trimestre.

"Uma boa parte das vendas não aconteceram em função dessa morosidade: é um processo mais complexo, que depende da aprovação do crédito do cliente pelo banco", disse Menin, acrescentando que apesar de mais lenta, essa é uma venda "mais garantida".

Em setembro, as vendas simultâneas chegaram perto de 60 por cento do total, afirmou o executivo, que estima que o novo processo deverá estar plenamente implantado no começo de 2015.

Questionado sobre a perspectiva de melhoria nos cancelamentos registrados pela empresa em função da iniciativa, Menin afirmou que "a partir de algum trimestre do ano que vem a gente começa a ver número cadente, chegando perto de patamar de um dígito no fim de 2015 e começo de 2016".

O percentual de distratos sobre vendas da MRV foi de 27,1 por cento no segundo trimestre, segundo último dado publicado pela companhia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.