McDonald's vai treinar funcionários para combater assédio e discriminação

A mudança faz parte do plano da empresa para tornar os ambientes mais seguros para trabalhadores, após ter enfrentado vários processos judiciais acusando-a de sujeitar as funcionárias de seus restaurantes a assédio sexual generalizado

O McDonald's disse nesta quarta-feira que vai exigir novos treinamentos e políticas para combater assédio, discriminação e violência em seus 39 mil restaurantes em todo o mundo.

A rede de fast-food afirma que suas lojas, a maioria dos quais administradas por franqueados, deverão atender aos novos padrões a partir de janeiro de 2022.

A mudança faz parte do plano da empresa para tornar os ambientes mais seguros para trabalhadores, após ter enfrentado vários processos judiciais acusando-a de sujeitar as funcionárias de seus restaurantes a assédio sexual generalizado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.