Funcionários da Ambev em Manaus decidem pela greve

Classe não conseguiu chegar a um acordo com a empresa. Entre outras exigências, os trabalhadores pedem a adoção de um piso salarial nacional de R$ 1.500,00

São Paulo - Funcionários da Ambev em Manaus (AM) estão com as atividades paralisadas. Eles decidiram pela greve na noite de quarta-feira (14), após reunião entre o Sindicato do Trabalhadores de Bebidas de Manaus (Stibam) e a empresa. 

Segundo a Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins), que representa a classe, a companhia não apresentou proposta para atender aos pedidos dos trabalhadores.

A Ambev, por sua vez, afirmou em nota que "segue aberta ao diálogo com o sindicato" e que "está empenhada para chegar a um bom termo para todos". 

A empresa diz ainda que "não recebeu qualquer notificação acerca de deflagração de greve nos termos legais".

A principal reivindicação dos trabalhadores é para que seja adotado um salarial nacional de 1.500 reais para a categoria.

Adesão

No início da semana, a CNTA Afins ameaçou convocar todos os trabalhadores da Ambev no país a paralisarem suas atividades às vésperas da Copa do Mundo, caso o impasse em Manaus não fosse resolvido até quarta-feira (14).

A movimentação, porém, ainda está longe de uma greve geral. Segundo a confederação, cerca de um terço dos funcionários da unidade da empresa em Manaus aderiu ao movimento.

Lá, trabalham 1 mil dos 32 mil colaboradores da fabricante de bebidas no Brasil.

Ainda não há previsão para que os empregados voltem às suas atividades, segundo a entidade.

A Ambev garante que a "expressiva maioria de seus funcionários em Manaus não aderiu à tentativa de paralisação".

A empresa afirma também que "os empregados querem seguir com a rotina normal de trabalho a despeito de qualquer bloqueio ou desordem que o sindicato possa instalar na entrada da unidade em Manaus". 

O que eles pedem

Além do piso nacional, os funcionários pedem um reajuste salarial com aumento real de 10% sobre os salários já reajustados em maio de 2014.

As exigências também incluem pagamento de horas extras com adicional de 100%,de segunda a sábado e de 120% aos domingos e feriados, além de adicional noturno de 50% em relação à hora normal, adicional de insalubridade e participação nos lucros.

Sem alterações

Apesar da greve, a Ambev diz que as fábricas de Manaus continuam operando que "a produção e o abastecimento dos pontos de venda não serão afetados".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.