Negócios

Três dicas para empreender com impacto, segundo a CEO do Pretahub

A empreendedora Adriana Barbosa participou de painel sobre empreendedorismo social durante o segundo dia do RD Summit, evento de inovação da RD Station

Adriana Barbosa, CEO da Pretahub (esquerda) e Egnalda Côrtes, fundadora e CEO da Côrtes Assessoria (direita): impacto social deve ser incômodo positivo para inovação nas empresas (Marcelo/ Green Fotografias/Divulgação)

Adriana Barbosa, CEO da Pretahub (esquerda) e Egnalda Côrtes, fundadora e CEO da Côrtes Assessoria (direita): impacto social deve ser incômodo positivo para inovação nas empresas (Marcelo/ Green Fotografias/Divulgação)

* De Florianópolis, Santa Catarina

Empreender não é um mar de rosas. Pelo contrário. Recorrer ao empreendedorismo pode ser, muitas vezes, uma maneira de driblar situações econômicas e sociais adversas em busca de alguma independência financeira.

O cenário por si só é desafiador, e pode ser ainda mais complicado caso o empreendedor por trás do negócio faça parte de algum grupo subrepresentado socialmente, como mulheres e pessoas negras, por exemplo. Um indicador que revela bem essas premissas é o de negócios liderados por pessoas mulheres durante a pandemia: de acordo com a RME, mais de 80% deles fecharam as portas parcial ou definitivamente.

Assine a EMPREENDA e receba, gratuitamente, uma série de conteúdos que vão te ajudar a impulsionar o seu negócio.

O contexto desafiador do empreendedorismo feminino e negro e a geração de impacto de negócios desse tipo foram pauta no segundo dia do RD Summit, evento de tecnologia que acontece esta semana em Florianópolis (SC).

Para discutir o assunto, uma palestra reuniu Adriana Barbosa, CEO da PretaHub; Preto Zezé, presidente na Central Única das Favelas (CUFA); Egnalda Côrtes, fundadora e CEO da Côrtes Assessoria e Carlos Pignatari, diretor de impacto social da Ambev.

Para Côrtes, o ponto de partida na discussão sobre o empreendedorismo social (aqui, classificado pelos palestrantes como todo tipo de iniciativa empresarial que contribua com o desenvolvimento econômico de classes subrepresentadas) é relacionar o tema à necessidade de inovação, e não apenas dentro desses pequenos negócios. "Inovação boa é aquela que incomoda. Falar de empreendedorismo social e representatividade hoje está gerando esse incômodo positivo em muitas organizações".

Pignatari afirma que de fato a pauta já chegou às grandes empresas, agora cientes de seu papel como fomentadoras de uma economia pautada na geração de impacto, e não apenas de lucro financeiro. "É uma questão de entender como podemos ajudar em um crescimento conjunto", disse.

Preto Zezé (CUFA), Adriana Barbosa (Pretabub), Egnalda Côrtes (Côrtes Assessoria) e Carlos Pignatari (Ambev), falam em painel sobre empreendedorismo social no RD Summit 2022 (Marcelo/ Green Fotografias)

Dicas para empreendedores sociais

Após detalharem suas experiências com o tema — a CUFA, por exemplo, criou recentemente a Escola de Negócios da Favela para desenvolver empreendedores de favelas em todo o país — os palestrantes reuniram dicas para que a agenda do impacto social avance.

Para Adriana Barbosa, do Pretahub, a necessidade é por maior encorajamento a empreendedores sociais Brasil adentro. Diante disso, ela recomenda uma boa dose de coragem para quem deseja empreender com impacto, especialmente empreendedores negros. "Vai ser difícil. Por isso, além de acompanhar o que acontece no mundo, você precisa tambem desenvolver uma boa musculatura emocional para não desistir ao lidar com os desafios e o racismo", diz.

Além disso, ela indica a proximidade com diferentes redes de apoio a pequenos negócios (como o próprio hub de capacitação da Pretahub). Em terceiro lugar, reforça a importância de acompanhar de perto o que há de mais novo no universo do empreendedorismo. "Você precisa saber o que está sendo dito, para saber também saber questionar", diz.

* A jornalista viajou a convite da RD Station

LEIA TAMBÉM

Com aposta em WhatsApp, RD Station anuncia recursos para PMEs

Por que todo vendedor também deveria saber contar histórias, segundo April Dunford

Acompanhe tudo sobre:Empreendedorismo

Mais de Negócios

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Investida do bilionário Bernard Arnault, startup faz sucesso usando IA para evitar furtos no Brasil

Riverwood Capital investe R$ 126 mi e quer levar startup mineira de gestão de contratos ao mundo

Oxxo por delivery: rede de "mercadinhos de bairro" anuncia parceria com o Rappi

Mais na Exame