Negócios

Compra da Celg é importante para crescimento no Brasil, diz Enel

Enel já é controladora da Coelce, do Ceará, e da Ampla, do Rio de Janeiro

Enel: empresa ofereceu R$ 2,187 bilhões pela Celg-D, o que correspondeu a um ágio de 28,03% (Pedro Danthas)

Enel: empresa ofereceu R$ 2,187 bilhões pela Celg-D, o que correspondeu a um ágio de 28,03% (Pedro Danthas)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 30 de novembro de 2016 às 14h28.

São Paulo - O presidente da Enel no Brasil, Carlo Zorzoli, considerou que a compra da Celg D, decretada nesta quarta-feira, 30, com sua vitória no leilão para a privatização da distribuidora goiana, é uma etapa muito importante do desenvolvimento da companhia no Brasil, onde já controla as distribuidoras Coelce, do Ceará, e Ampla, do Rio de Janeiro.

Ele comentou que a companhia tem dois focos estratégicos: de crescimento nas redes de distribuição e em renováveis.

"No Brasil conseguimos, com esta operação, atuar nas duas linhas estratégicas do grupo Enel no mundo", afirmou, destacando que, com a Celg D, a companhia passará a atender quase 10 milhões de consumidores. Em todo o mundo, a companhia é responsável por atender 65 milhões de clientes.

A Enel ofereceu R$ 2,187 bilhões pela Celg-D, o que correspondeu a um ágio de 28,03% e conquistou a distribuidora, já que era a única proponente.

Questionada sobre o alto valor ofertado, Zorzoli disse ter oferecido o preço que a companhia achou justo. "Ofertamos o preço que achamos razoável, fechamos com aquele preço e ficamos felizes trabalhando", disse.

Ele não quis revelar as condições de financiamento e justificou que as empresas listadas do grupo divulgariam informações.

O executivo também não detalhou sobre os investimentos planejados na nova distribuidora do grupo, mas destacou que entre as prioridades estariam desembolsos voltados para a qualidade do serviço e para atendimento de novas conexões, com expansão da rede. "Digitalização e modernização são outras palavras", acrescentou.

Conforme Zorzoli, a assinatura do contrato de compra e venda será feito em 30 de janeiro, quando também ocorre o pagamento, "em dinheiro" e em parcela única.

Questionado se a Enel seguiria com apetite por novos ativos no Brasil, ele falou que "o desenvolvimento do grupo Enel no Brasil não acaba hoje".

Ele lembrou que a companhia divulgou seu plano de investimentos global recentemente, que inclui o Brasil.

"Nosso trabalho para crescer no País não terminou aqui", reiterou, acrescentando também o plano de investimento nas concessões, focado em qualidade, modernização e digitalização e nas redes. "Então, não é que com isso acabam nossas possibilidades", disse.

Acompanhe tudo sobre:CelgEnergia elétrica

Mais de Negócios

Vem aí a terceira edição do Ranking EXAME Negócios em Expansão

Nos 30 anos do Real, Mercado Pago lança cédula celebrativa

Nas franquias de educação, 83% dos alunos estão na sala de aula (e não em aulas online)

Eles começaram do zero, viraram referência em franquias e revelam segredos para sucesso nos negócios

Mais na Exame