A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Veja quais carros devem sair de linha em 2021 (e o que fazer)

Neste ano, cinco modelos poderão ser aposentados por causa das novas regras de emissões e baixas vendas

Neste ano, o mercado brasileiro já disse adeus a alguns modelos — como Ford EcoSport e Ka; Chevrolet Montana; Citroën C3; Toyota Etios; e Volkswagen Up!. Só que essa lista ainda não acabou, e, de acordo com o Mobiauto, mais veículos deverão ser aposentados até o fim deste ano, seja pela preferência dos clientes, seja pelas novas regras de emissões de poluentes (Proconve L7) para 2022.

Durante a pandemia, a Anfavea, que representa fabricantes de veículos, luta pelo adiamento das novas normas ambientais. E nem seria o primeiro atraso motivado pela própria indústria: controle eletrônico de estabilidade; luzes diurnas de LED; aviso de cintos de segurança desafivelados; e testes de impactos laterais foram todos postergados pelo governo e começarão a valer em três anos.

“Quando surge o boato de que um veículo vai sair de linha e existe grandes chances de ser confirmado, existe uma reação do mercado. Nesse caso, todos costumam pagar menos, já que não existe proteção para isso. E quem sofre com isso é o cliente. Por isso, quando esse boato é sustentado, a desvalorização ocorre e não há o que fazer”, diz Cássio Pagliarini, especialista da Bright Consulting.

Carros que devem sair de linha em 2021

Fiat Uno

Veterano: modelo manteve o nome inaugurado nos anos 1980

Veterano: modelo manteve o nome inaugurado nos anos 1980 (Fiat/Divulgação)

Esse nome remete ao modelo lançado por aqui em 1984 e que, desde então, só recebeu uma mudança profunda em 2010. Se chegou a ser o carro mais vendido do Brasil — inclusive, é o líder histórico dentro da própria marca e o vice de todos os tempos aqui —, agora, resta apenas uma versão no mercado. Mas, nos últimos anos, o Uno acabou focado em empresas, sinalizando um fim próximo.

Honda Fit

Honda Fit Mudança: fabricante deve trazer City hatch para o lugar do Fit

Mudança: fabricante deve trazer City hatch para o lugar do Fit (Honda/Divulgação)

É inegável a importância do Fit para a história do fabricante no país. Mas o segmento de monovolumes, no qual o modelo faz parte, tem perdido cada vez mais espaço para hatches e SUVs. Além disso, já está prevista a chegada de um substituto que será fabricado aqui — novo City hatch — que ocupará o mesmo espaço no mercado. Como resultado, o Honda de entrada já tem caído em vendas.

Toyota Prius

Toyota Prius azul Raridade: não há carros em estoque e Prius está disponível sob encomenda

Raridade: não há carros em estoque e Prius está disponível sob encomenda (Toyota/Divulgação)

O primeiro híbrido da marca japonesa chegou ao mercado brasileiro em 2013. E, naquele momento, já tinha mais de uma década de história nos Estados Unidos. Desde então, perdeu espaço por aqui: a empresa lançou o Corolla eletrificado feito no Brasil — e com direito ao inédito motor flex, que pode ser abastecido com gasolina e etanol —, além do SUV Rav4. Com isso, o importado Prius perdeu espaço.

Volkswagen Fox

VW Fox Volkswagen Troca: veterano Fox pode sair para dar espaço a novas versões do Polo

Troca: veterano Fox pode sair para dar espaço a novas versões do Polo (Volkswagen/Divulgação)

Esse modelo chegou às lojas como sucessor do Gol. Não deu certo. E assim o Fox precisou se reinventar: ganhou mais equipamentos de série, desenho alinhado aos veículos vendidos no mercado europeu e até motorização mais moderna. Se as vendas seguem com bom nível, a aposentadoria deverá ser decretada pelas mudanças nas normas de emissões e pela chegada de novas versões do Polo.

Volkswagen Voyage

VW Voyage Volkswagen Prioridade: com o Virtus, o Voyage perdeu espaço no mercado

Prioridade: com o Virtus, o Voyage perdeu espaço no mercado (Volkswagen/Divulgação)

Outra opção que perdeu destaque dentro do próprio fabricante foi o sedã do Gol. Afinal, quase não teve mudanças significativas desde o lançamento, em 2008 — exceto por atualizações no desenho. E, além do motor desatualizado em relação à futura regra do Proconve L7, falta controle eletrônico de estabilidade, ambos já presentes no Virtus, que ocupa esse mesmo segmento (e é mais moderno).

Esses carros vão desvalorizar?

“Desvalorização dos carros que saem de linha depende da vida do próprio modelo. Isso porque, veículos que tiveram vida sólida, com histórico de robustez e economia, perdem menos valor e desvalorizam até 5% mais que o mercado. E veículos com problemas mecânicos, por exemplo, têm depreciação maior, de até 25% quando comparado aos modelos que continuam à venda”, afirma Pagliarini.

É melhor vender ou manter o carro?

De acordo com o especialista em mercado automotivo, essa questão é relativa. Para quem já pretendia substituir o carro — o que costuma acontecer em ciclos de quatro a cinco anos, quando é feita a troca de pneus e componentes caros, como freios e embreagem — o melhor é assumir a desvalorização. Mas, no caso de manter, o ideal é manter o carro, já que os impactos costumam ser imediatos.

Existe risco de ficar sem peças de reposição?

Para Cássio Pagliarini, o risco de ficar sem peças é minimizado pelo fato de boa parte dos componentes ser produzida por fornecedores. Além disso, existe algo chamado all time run, que garante a vida de pelo menos dez anos caso haja necessidade de trocas. No caso de modelos que saíram de linha, o maior risco é para componentes específicos, como latarias e alguns itens de acabamento.

“Quando a Ford parou de produzir no país, disse que fabricaria componentes para estoque e reposição. É justamente isso. No caso do VW Fusca ou outros carros que tiveram vendas muito boas, por exemplo, ainda existem componentes disponíveis. Em compensação, alguns que tiveram histórico ruim, nenhum fornecedor se interessa em produzir, já que o volume foi baixo”, diz o especialista.

O que dizem os fabricantes

Procurada, a Fiat afirma que a produção do Uno continua normalmente em Betim (MG). No caso de Honda e Volkswagen, ambos os fabricantes dizem não comentar planos futuros em relação ao mercado. Por fim, a Toyota alega não trabalhar nas vendas do Prius desde a chegada do Corolla Hybrid, mas que o modelo segue oferecido sob encomenda e que, por ora, não há planos para sair de linha.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também