Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Nos Estados Unidos, carne vegetal está longe de emplacar no drive-thru

Para alguns dos restaurantes de fast-food que vendiam versões vegetais de seus cardápios para atrair consumidores preocupados com o consumo de carne, a moda já está passando. Isso pode significar problemas para os fabricantes dos produtos

home_carne_vegetal As maiores redes de restaurantes estão recuando — ou pelo menos desacelerando — os planos de carne vegetal depois da pandemia da Covid-19 e da paralisação de restaurantes e lanchonetes

As maiores redes de restaurantes estão recuando — ou pelo menos desacelerando — os planos de carne vegetal depois da pandemia da Covid-19 e da paralisação de restaurantes e lanchonetes (Bloomberg Businesweek/BLOOMBERG BUSINESSWEEK)

Por Leslie Patton e Deena Shanker, da Bloomberg Businessweek

Para alguns dos restaurantes de fast-food que vendiam versões vegetais de seus cardápios para atrair consumidores preocupados com o consumo de carne, a moda já está passando. Isso pode significar problemas para os fabricantes dos produtos, que anunciaram parcerias como um importante passo para a popularização na cultura vigente.

Quer saber mais sobre empreendedorismo? Inscreva-se gratuitamente para assistir à aula inaugural da shark Carol Paiffer!

As maiores redes de restaurantes estão recuando — ou pelo menos desacelerando — os planos de carne vegetal depois da pandemia da Covid-19 e da paralisação de restaurantes e lanchonetes. Em vez de experimentar coisas novas, os americanos têm comido em casa ou procurado consumir alimentos familiares e reconfortantes quando se aventuram fora.

Os pedidos de hambúrgueres e sanduíches vegetais em restaurantes fast-food permaneceram inalterados no ano encerrado em junho, enquanto os pedidos de hambúrgueres cresceram 12% no mesmo período, de acordo com a consultoria de mercado, Grupo NPD. “Não acho que a carne vegetal esteja no topo da lista de muitos operadores de restaurantes ”, afirma Peter Saleh, analista da BTIG. “É um conceito parecido com apenas vender os itens básicos do menu e da melhor forma possível”.

O Dunkin’, da Inspire Brands, retirou a salsicha do café da manhã da rede Beyond Meat de milhares de locais. O KFC, da Yum Brands!, que fez testes com os nuggets de frango da Beyond Meat, ainda não os transformou em um item regular do menu, e o Burger King reduziu a comercialização de seu Impossible Whopper.

Na Little Caesars, um teste com a salsicha Impossible Foods não deu certo; simplesmente não era um tempero popular o suficiente para sustentar aquela opção. A rede de pizzarias está dando uma chance ao pepperoni fake, embora apenas em grandes áreas metropolitanas, incluindo Miami, Nova York e São Francisco.

Apesar das expectativas dos investidores de longa data sobre acordos de fast-food nacionais — e até internacionais — são as redes menores que mostram o maior entusiasmo. O frango fake está vendendo melhor do que o esperado em empresas fast-casual como a Epic Burger, diz o diretor executivo da rede, David Grossman. A Epic, que obtém seu frango à base de legumes e plantas da Beyond Meat, tem sete locais em Chicago e arredores.

As ações da Beyond Meat saltaram em fevereiro, quando o McDonald’s., com mais de 39.000 restaurantes, compartilhou detalhes sobre a Beyond ser seu fornecedor preferencial para o hambúrguer McPlant. Até agora, esse produto foi testado apenas em alguns mercados menores, embora esteja programado para um lançamento nacional no Reino Unido e na Irlanda em 2022.

Os analistas do UBS Group, Erika Jackson e Andrew Olsen,  disseram que o anúncio, junto com outras parcerias de grande nome, sinalizava que a carne à base de vegetais "não é uma moda passageira", mas mesmo assim reduziu suas estimativas de vendas da Beyond Meat nos exercícios fiscais de 2021 e 2022.

Eles modelaram as vendas com base em um grande lançamento nacional de fast-food para o segundo semestre de 2021, mas agora estão esperando que isso aconteça pelo menos um ano depois. Um representante da Beyond diz que a empresa está muito orgulhosa das parcerias que tem com algumas das maiores redes de restaurantes do mundo.

O Burger King, com cerca de 18.000 lojas próprias ou franqueadas, poderia ter sido uma plataforma fundamental de lançamento para a Impossible Burguers. A rede, de propriedade da Restaurant Brands International, divulgou o Impossible Whopper com uma campanha publicitária mostrando que o Whopper era feito 100% de origem vegetal e 0% de carne bovina.

Quando a administração cortou os gastos com marketing no ano passado, a conscientização do cliente caiu, de acordo com o analista da Bloomberg Intelligence, Michael Halen, com base em dados do Cognovi Labs, que analisa os meios de comunicação sociais, incluindo o Twitter.

As discussões sobre as carnes à base de vegetais do Burger King caíram 67% de 2019 a 2020, mostram os dados, ultrapassando uma queda de cerca de um terço em toda a indústria. O Grupo Carrols Restaurant, o maior franqueado do Burger King nos EUA, disse no final do ano passado que as vendas do Impossible Whopper caíram em cerca de metade desde seu lançamento em agosto de 2019. Carrols e Burger King não quiseram comentar sobre as vendas atuais.

O Impossible Whopper está "indo bem", diz Dennis Woodside, presidente da Impossible Foods, dizendo que não houve uma retração de marketing e observando que ainda está sendo vendido na plataforma compre um leve outro grátis. “Nossos operadores estão muito felizes com a taxa de repetição e a atração de novos clientes para o produto”, diz ele, embora tenha se recusado a compartilhar detalhes.

As vendas de substitutos de carne em geral nos restaurantes dos EUA caíram mais de 23% no ano passado, de acordo com dados da Euromonitor International. Os volumes se recuperaram este ano, mas devem ficar apenas 4,4% acima do nível de 2019.

Um fator em que as degustações em restaurantes e o marketing estão ajudando são as vendas em supermercados, com a carne falsa cada vez mais presente na comida caseira. “Um produto à base de plantas pode ser visto como algo um pouco incerto”, diz Jennifer Bartashus, da Bloomberg Intelligence. “A degustação em restaurantes dá às pessoas confiança no sabor e na capacidade de preparar esses alimentos por conta própria.”

Os restaurantes ainda estão tentando descobrir o que os clientes querem, e alguns estão fazendo isso sem as grandes marcas de carnes fake. Em agosto, a Chipotle Mexican Grill começou a vender chouriço vegetariano feito internamente com proteína de ervilha, evitando concorrer tanto com o Impossible Whopper quanto com a Beyond.

A rede de fast-casual diz que muitas alternativas de carne por aí não são saudáveis ​​o suficiente para se compararem à Chipotle. “Esses alimentos são processados ​​em demasia para nossos padrões”, disse o diretor de marketing, Chris Brandt, em uma entrevista na ocasião “e contêm muitos ingredientes que nunca teríamos em nossos restaurantes”.

O franqueado da Dunkin, Rob Branca, que possui 90 lojas em Massachusetts, no interior do estado de Nova York e Ohio, diz que a salsicha da Beyond não vendeu como ele esperava. “Não sou especialista, mas não sei quem é o cliente” para as carnes vegetais, diz Branca.

Na BurgerFi International, o CEO Julio Ramirez, diz que ele conseguiu decifrar a charada: quando um grupo de clientes com gostos variados está escolhendo um restaurante, a disponibilidade de uma opção vegetariana pode ser o fator decisivo. “Uma pessoa diz:‘ Não quero hambúrguer de carne ’, isso vai limitar aonde você vai”, diz ele.

Alyssa Smolen, vegetariana de 22 anos, não está convencida de que as alternativas à carne são mais saudáveis ​​do que outras proteínas, como o tofu. Smolen, de Nova Jersey, não frequenta cadeias de fast-food, embora tenha experimentado — e não se impressionou com — a salsicha Dunkin  da Beyond no início deste ano. Quando tem vontade de comer um hambúrguer ou linguiça fake, ela os compra no supermercado ShopRite local e prepara em casa.

Ela também é bastante agnóstica em relação à marca, prestando mais atenção aos fatores nutricionais e ao preço. “No fim das contas, é um alimento processado. Depende da sua mentalidade quanto ao que você define como saudável ”, diz ela.

Quais são as tendências entre as maiores empresas do Brasil e do mundo? Assine a EXAME e saiba mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também