Negócios

Cade aprova controle da Cesp por Votorantim Energia e canadense CPPI

O negócio envolverá mais de 3 bilhões de reais e dará ao consórcio uma fatia total de 40,6% na elétrica

Cesp: o Consórcio São Paulo Energia foi o único a oferecer uma proposta para adquirir a participação do governo paulista na Cesp (CESP/Divulgação)

Cesp: o Consórcio São Paulo Energia foi o único a oferecer uma proposta para adquirir a participação do governo paulista na Cesp (CESP/Divulgação)

R

Reuters

Publicado em 16 de novembro de 2018 às 10h16.

São Paulo - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a aquisição do controle da elétrica Cesp pela Votorantim Energia e pelo fundo de pensão canadense CPPIB, conforme despacho publicado no Diário Oficial da União desta sexta-feira.

A Votorantim Energia e o CPPIB formaram o Consórcio São Paulo Energia, que foi o único a oferecer uma proposta para adquirir a participação do governo paulista na Cesp em leilão de privatização realizado no mês passado.

O negócio envolverá mais de 3 bilhões de reais e dará ao consórcio uma fatia total de 40,6 por cento na elétrica.

Conforme o Cade, a Votorantim Energia considera a operação uma "oportunidade de negócio em linha com a estratégia da empresa em continuar investindo na geração de energia elétrica renovável no Brasil". Já para o CPPIB, a operação permite "a expansão de sua parceria com a Votorantim Energia e o compromisso de longo prazo da empresa com Brasil".

No caso da Cesp, o negócio representa a continuidade do Plano Estadual de Desestatização (PED) do governo paulista.

Em seu parecer, o Cade disse que, "ainda que pudesse ser aventada uma integração vertical entre os mercados de geração e comercialização de energia, a operação não tem o condão de causar prejuízos à concorrência em razão da baixa participação da requerentes tanto no mercado a jusante quanto no mercado a montante".

Acompanhe tudo sobre:CadeCanadáCESPVotorantim

Mais de Negócios

10 franquias baratas para quem quer deixar de ser funcionário a partir de R$ 2.850

Mukesh Ambani: quem é o bilionário indiano que vai pagar casamento de R$ 3,2 bilhões para o filho

De vendedor ambulante a empresa de eletrônicos: ele saiu de R$ 90 mil para mais de R$ 1,2 milhão

Marca de infusões orgânicas cresce com aumento do consumo de chás no Brasil e fatura R$ 6 milhões

Mais na Exame