Negócios

Cade aprova compra de participação na Celesc pela EDP Brasil

Em seu parecer, o Cade disse que a transação não gera implicações para a integração vertical entre as atividades de geração e comercialização de energia

EDP Brasil visa, com a operação, "reforçar um novo ciclo de crescimento, com ênfase no segmento de distribuição e transmissão de energia elétrica" (EDP/Divulgação)

EDP Brasil visa, com a operação, "reforçar um novo ciclo de crescimento, com ênfase no segmento de distribuição e transmissão de energia elétrica" (EDP/Divulgação)

R

Reuters

Publicado em 26 de janeiro de 2018 às 10h21.

São Paulo - A Superintendência-geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou sem restrições a aquisição de uma fatia de 14,46 por cento da Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) pela EDP Brasil, segundo despacho no Diário Oficial da União desta sexta-feira.

A EDP Brasil visa, com a operação, "reforçar um novo ciclo de crescimento, com ênfase no segmento de distribuição e transmissão de energia elétrica", segundo informações apresentadas pela companhia ao órgão de defesa da concorrência.

Em seu parecer, o Cade disse que a transação não gera implicações para a integração vertical entre as atividades de geração e comercialização de energia.

Além disso, acrescenta o Cade, "qualquer apreensão concorrencial seria mitigada por tratar-se de uma operação que envolve a aquisição de participação minoritária".

A EDP Brasil anunciou em 19 de dezembro a assinatura de contrato para a compra de fatia na Celesc, por 230 milhões de reais. O acordo prevê ainda a realização posterior pela EDP de uma oferta pública voluntária (OPA)para comprar até 32 por cento das ações preferenciais da Celesc, a 27 reais por papel.

A EDP Brasil é uma companhia do grupo português Energias de Portugal, enquanto a Celesc pertence majoritariamente ao governo de Santa Catarina.

Acompanhe tudo sobre:acordos-empresariaisCadeEDPEmpresasEnergiaFusões e Aquisições

Mais de Negócios

Como formar líderes orientados ao propósito

Em Nova York, um musical que já faturou R$ 1 bilhão é a chave para retomada da Broadway

Empreendedor produz 2,5 mil garrafas de vinho por ano na cidade

Após crise de R$ 5,7 bi, incorporadora PDG trabalha para restaurar confiança do cliente e do mercado

Mais na Exame