Negócios

Brasil tem vantagem competitiva no setor de energias renováveis

Painel “Energia limpa: o novo normal”, do Melhores e Maiores 2021, reúne Absolar, Abeólica e PSR em debate sobre o futuro da eletricidade

Energia renovável: softwares de gerenciamento de rede beneficiam empresas que procuram reduzir sua pegada de carbono (Germano Lüders/Exame)

Energia renovável: softwares de gerenciamento de rede beneficiam empresas que procuram reduzir sua pegada de carbono (Germano Lüders/Exame)

DR

Da Redação

Publicado em 20 de outubro de 2021 às 17h58.

Última atualização em 5 de novembro de 2021 às 13h08.

O Brasil tem enorme vantagem competitiva sobre a maioria dos países quando se trata de energias renováveis. Essa é a grande mensagem deixada pelos convidados do painel “Energia limpa: o novo normal”, do evento Melhores e Maiores 2021. Participaram do debate Elbia Gannoum, presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeólica); Rodrigo Sauaia, presidente da Associação Brasileira de Energia Solar (Absolar); e Luís Augusto Barroso, presidente da consultoria PSR.

Melhores e Maiores 2021: inscreva-se gratuitamente e participe do maior prêmio do empreendedorismo brasileiro

Barroso iniciou a conversa com um panorama da transição energética global. “Estamos saindo de uma matriz majoritariamente fóssil para uma renovável”, afirmou o especialista. Essa mudança, segundo Barroso, é benéfica para o Brasil. “O Brasil está num lugar que muitos países gostariam de estar mas levarão décadas para chegar”, disse ele, ressaltando que a matriz elétrica nacional é, na maior parte, limpa, graças às hidrelétricas.

Para Elbia Gannoum, da Abeólica, a matriz brasileira é perfeita para o avanço da fonte eólica, que funciona em complementariedade às hidrelétricas. “Estamos no período de seca, que é quando temos mais vento”, disse Gannoum. “A energia eólica representa 11% da matriz elétrica, porém, hoje, é cerca de 20% em função da escassez hídrica.”

Assista ao painel Energia limpa: o novo normal

yt thumbnail

Menos consolidada, porém apresentando um crescimento acima das demais, está a energia solar. Rodrigo Sauaia destacou que essa fonte atingiu 11 GW de potência no país. Somente os painéis instalados nos telhados de residências e pequenos comércios, que respondem pela maior parte da potência instalada, é gerado anualmente o equivalente a meia usina de Itaipu, a maior do país.

“O potencial de crescimento é gigantesco. Atualmente, no ranking dos maiores geradores de energia solar, estamos atrás de países com condições bem menos favoráveis, como o Reino Unido, conhecido por seu tempo nublado”, afirmou o presidente da Absolar.

Barros, da PSR, levantou também a questão do desenvolvimento tecnológico das renováveis, que tende a evoluir muito mais. “Em comparação às fontes não renováveis, que estão aí a mais de um século, as renováveis são recentes”, afirmou o especialista. “Esse desenvolvimento está acontecendo e, no futuro, veremos soluções como fachadas de prédio e até objetos que geram energia solar, por exemplo.”

Renovada, a premiação mais importante da economia brasileira celebra as Melhores e Maiores companhias do país, responsáveis por movimentar grande parte da economia brasileira. O prêmio, que chega à 48ª edição tem a missão de mapear o desempenho empresarial do país e entender quais são as organizações que são responsáveis e conduzem a economia local. A entrega dos prêmios começa às 19h — a transmissão online poderá ser acompanhada por aqui.

Acompanhe tudo sobre:COP26Energia eólicaEnergia renovávelEnergia solarEXAME-no-Instagram

Mais de Negócios

Di Santinni compra marca gaúcha de calçados por R$ 36 milhões

Para se recuperar, empresas do maior hub de inovação do RS precisam de R$ 155 milhões em empréstimos

Investida do bilionário Bernard Arnault, startup faz sucesso usando IA para evitar furtos no Brasil

Riverwood Capital investe R$ 126 mi e quer levar startup mineira de gestão de contratos ao mundo

Mais na Exame