BR Distribuidora divulga primeiro balanço após privatização

A Petrobras vendeu 30% de sua participação na companhia por um valor de 9,6 bilhões de reais, o que tirou da estatal o controle sobre a distribuidora

Enquanto a Petrobras dá largos passos em seu plano de desinvestimentos a fim de focar na extração do pré-sal, sua ex-subsidiária, a BR Distribuidora, irá divulgar nesta quarta-feira, 31, seu primeiro balanço sem ter o governo como acionista majoritário.

Ontem, a bolsa de valores (B3) retirou a BR Distribuidora de seu programa de governança de estatais. Na semana passada a empresa foi oficialmente privatizada após a Petrobras vender 30% de seu controle por um montante de 9,6 bilhões de reais.

Agora, a Petrobrás possui menos de 50% das ações da BR, líder na distribuição e comercialização de combustíveis do Brasil. A empresa possui cerca de sete mil postos de combustível e ainda opera em 99 aeroportos do país.

Em junho, a companhia já havia vendido 90% das operações da TAG, subsidiária de gasodutos, por 33 bilhões de reais.

Em entrevista a EXAME, Roberto Castello Branco, presidente da Petrobras, afirmou que o plano é ter uma empresa especializada na exploração de águas profundas, menos endividada e mais lucrativa, repassando à iniciativa privada negócios que fujam deste foco.

Foi o que aconteceu com a BR e deve continuar sendo feito. Os próximos passos devem ser a venda de oito das 13 refinarias da companhia, assim como a venda da distribuidora Liquigás. Também estão na lista campos de petróleo e 15 usinas térmicas.

Sem a Petrobras no comando, a dúvida que fica é se sua  ex-subsidiária conseguirá manter os resultados. No primeiro trimestre deste ano, a BR Distribuidora teve uma alta de  93% em seu lucro líquido.

O montante saltou de 247 milhões de reais no primeiro balanço de 2018 para 477 milhões de reais nos três primeiros meses de 2019. Em 2018, a BR Distribuidora lucrou 3,2 bilhões de reais, uma alta de 177,4% em relação ao ano anterior.

No final de 2017, a companhia lançou suas ações na Bolsa de valores em uma oferta de 5 bilhões de reais, uma parcela equivalente a 28% da empresa adquirida por investidores privados. 

Os números que serão divulgados hoje ainda irão refletir as políticas fiscais da época em que a Petrobras estava no controle da BR Distribuidora, mas a partir de agora a companhia terá que provar que consegue manter bons resultados por conta própria. 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.