Bombardier vê oportunidade em indecisão da Boeing

A dúvida da empresa americana em atualizar o jato 737 dá à Bombardier a oportunidade de trabalhar o modelo CSeries a clientes potenciais

Le Bourget – A indecisão da Boeing sobre a atualização do jato 737 dá à Bombardier uma oportunidade ampla de trabalhar o modelo CSeries a clientes potenciais, afirmou o vice-presidente de operações da unidade aeroespacial da fabricante canadense nesta quarta-feira.

Em entrevista durante a feira de aviação Paris Air Show, Guy Hachey afirmou que a Bombardier já se aproximou de um dos principais clientes da Boeing, a Southwest Airlines, e acrescentou que acredita ser possível realizar vendas para a empresa.

A Boeing avalia se a melhor opção é redesenhar inteiramente o 737, seu avião mais vendido, ou se simplesmente instala um novo motor na aeronave atual. A atualização dos motores é um processo mais rápido, mas gera menores economias de combustível para as companhias aéreas do que o desenho de um novo aparelho.

A companhia dos Estados Unidos tem adiado a decisão desde o ano passado, mesmo depois que a principal, a Airbus, afirmou que vai atualizar os motores do A320.

Enquanto isso, a Bombardier tem estado sob pressão há meses para anunciar novas encomendas do jato CSeries, capaz de transportar entre 110 e 145 passageiros e que deve entrar no mercado no final de 2013, competindo com o 737 e o A320.

As encomendas do CSeries tiveram um início lento, com a Bombardier ficando de mãos vazias durante o salão de aviação de Farnborough, no Reino Unido, no ano passado.

Mas a companhia canadense interrompeu a sequência de 16 meses sem pedidos do avião em 1o de junho, quando anunciou encomenda de 10 CSeries, em um acordo de 665 milhões de dólares junto à sueca Braathens Aviation.

Na terça-feira, a Bombardier afirmou que a Korean Air assinou acordo para comprar 10 CSeries e comprou opções e direitos de compra para mais 20 unidades.

Um dia antes, a companhia informou que um cliente que pediu para não ser identificado fez pedido de 10 unidades do avião e a Bombardier divulgou que tem uma carteira de 113 pedidos firmes do CSeries.

Mas as ações da canadense recuaram nesta quarta-feira, depois que a Republica Airways, o maior cliente do CSeries até agora, informou que vai comprar 80 aviões A320neo, da Airbus.

Hachey afirmou que a Bombardier está em negociações avançadas com cinco a sete clientes e que pode anunciar acordos em breve.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.