Negócios

Mt Gox recebe proteção judicial contra falência nos EUA

Banco já foi a maior bolsa de negociação da moeda digital, mas teve de fechar seu site este ano depois de perder cerca de 850 mil bitcoins


	Manifestantes seguram cartazes durante um protesto em frente a sede do banco de bitcoins Mt.Gox
 (Kiyoshi Ota/Bloomberg)

Manifestantes seguram cartazes durante um protesto em frente a sede do banco de bitcoins Mt.Gox (Kiyoshi Ota/Bloomberg)

DR

Da Redação

Publicado em 17 de junho de 2014 às 20h05.

A bolsa de bitcoin baseada em Tóquio e que entrou em colapso Mt Gox recebeu nesta terça-feira proteção judicial contra falência nos Estados Unidos - americanos e a venda de seus negócios.

A Mt Gox já foi a maior bolsa de negociação da moeda digital, mas teve de fechar seu site este ano depois de perder cerca de 850 mil bitcoins --avaliadas em mais de 500 milhões de dólares a preços atuais-- em um ataque hacker. Mais tarde a empresa afirmou que encontrou 200 mil bitcoins.

A companhia entrou com pedido de proteção contra falência em março para evitar que clientes nos Estados Unidos tivessem acesso a seus ativos no país como servidores.

Desde então, a empresa e os usuários que abriram processo coletivo contra ela chegaram a um acordo, que está esperando aprovação final por um tribunal federal norte-americano em Chicago.

Sob o acordo, clientes da empresa nos EUA e Canadá vão dividir as 200 mil bitcoins detidas pela Mt Gox e compartilhar uma participação de 16,5 por cento depois que a companhia for vendida.

A Sunlot, uma empresa apoiada pelo ex-ator mirim Brock Pierce e o investidor de risco William Quigley, propôs comprar a Mt Gox por uma bitcoin, ou cerca de 600 dólares.

A oferta da Sunlot precisa ser aprovada por tribunal em Tóquio que está supervisionando o processo de falência da companhia.

Acompanhe tudo sobre:BitcoinFalênciasMoedas

Mais de Negócios

O que levou a EMS a comprar a startup Vitamine-se

No lugar do call center, IA que cobra dívidas fecha mais de R$ 54 milhões em acordos em três meses

De olho na Agenda 2030, a Cedro Participações avança em seus compromissos ESG

Destruída pelas águas, indústria de vidros do RS vai se reerguer em novo local — agora, longe do rio

Mais na Exame