Associação de supermercados nega congelamento de preços

Vice-presidente da Abras apenas pediu a associados que "façam uma negociação à exaustão (com fornecedores)"
Supermercados: pedido de congelamento de preços foi feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes (Leandro Fonseca/Exame)
Supermercados: pedido de congelamento de preços foi feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes (Leandro Fonseca/Exame)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 11/06/2022 às 08:33.

Última atualização em 11/06/2022 às 09:12.

Um dia depois do pedido feito pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), para que os supermercadistas segurem os preços até o ano que vem, o vice-presidente institucional da entidade, Marcio Milan, negou que o setor esteja apoiando congelamento de preços. Durante o evento, o presidente da Abras, João Galassi, chegou a lançar um desafio para os associados de "nova tabela só em 2023".

"O que estamos pedindo aos supermercadistas é que analisem com maior profundidade os aumentos de preços que estão recebendo, que façam uma negociação à exaustão (com fornecedores)", afirmou Milan ao Estadão. Segundo o executivo, a entidade não está falando de congelamento "de jeito nenhum".

De Los Angeles, nos EUA, para onde viajou em razão da Cúpula das Américas, o presidente Jair Bolsonaro também fez uma incursão no evento do setor supermercadista e pediu aos empresários que reduzam lucros para que os preços dos itens da cesta básica possam cair. A alta da inflação é um dos focos de preocupação da campanha de Bolsonaro à reeleição.

Em relação a esse ponto, Milan disse que a entidade não está propondo aos associados redução de margens. "Estamos propondo que todos vejam o que é possível fazer, com mais promoções, comprando um volume maior junto à indústria com desconto maior", explicou. Segundo ele, a cadeia de abastecimento é complexa para que sejam firmados compromissos de redução de margem e congelamento de preço.

Cesta

Diante do momento de "anormalidade" no comportamento de preços, porém, o executivo disse que o setor considera necessário que a cadeia de abastecimento tome medidas para tentar reduzir a inflação.

A pedido do governo, conversas, anteriores ao evento de quinta-feira, tinham sido iniciadas para propor saídas, a fim de reduzir pressões de preços. As duas propostas encaminhadas pelos supermercadistas foram a redução total dos impostos sobre a cesta básica e a desoneração sobre a folha de pagamento das empresas.

O corte de imposto tem aprovação do governo, mas precisa passar pelo Congresso. "Parece que na segunda-feira teremos novidade sobre isso", disse.