Acompanhe:
seloNegócios

Três grandes empresas que faliram ou entraram em recuperação judicial em 2022

Veja o que aconteceu como empresas como Itapemirim, Ricardo Eletro e a construtora Rossi

Modo escuro

Continua após a publicidade
Grupo Itapemirim teve falência decretada em setembro deste ano; nova gestora e grupo de credores recorrem da decisão (Rafael Delazari/Flickr)

Grupo Itapemirim teve falência decretada em setembro deste ano; nova gestora e grupo de credores recorrem da decisão (Rafael Delazari/Flickr)

M
Marcos Bonfim

Publicado em 28 de dezembro de 2022 às, 14h47.

Última atualização em 28 de dezembro de 2022 às, 15h31.

Em 2022, algumas grandes empresas enfrentaram dificuldades financeiras e tiveram de recorrer à recuperação judicial para evitar a falência.

O instrumento permite que as companhias suspendam o pagamento de débitos e iniciem um processo de negociação das dívidas juntos aos credores, com acompanhamento de uma administradora judicial.

Em situações mais críticas ao longo do ano, empresas como a Itapemirim não conseguiram sair da RJ, como o processo é conhecido, e tiveram a falência decretada.

Veja os casos mais emblemáticos entre as empresas:

Itapemirim

Viação Itapemirim e suas subsidiárias tiveram a falência decretada em 21 de setembro pela 1ª Vara de Falências e Recuperação Judicial do Tribunal de Justiça de São Paulo. A decisão atendeu a um pedido do banco Bradesco, um dos credores da empresa.

O grupo Itapemirim já foi a maior empresa de transporte rodoviário do país e entrou em recuperação judicial 2016, quando tinha dívidas de R$ 253 milhões com credores e passivo tributário de R$ 2,2 bilhões.

O negócio foi alvo de diversas polêmicas, incluindo brigas entre sócios e administradores, nos últimos anos. A principal foi a criação da ITA, uma empresa de aviação lançada em meio à pandemia de covid-19 quando o setor aéreo sofria com as restrições sanitárias.

O negócio ficou no ar somente por cinco meses. Começaram a surgir acusações de atrasos de salário e de outros direitos de trabalhadores e, no fim de 2021, pouco antes do Natal, a empresa cancelou subitamente os voos, deixando milhares de passageiros sem atendimento.

Na época, a Agência Nacional de Aviação (ANAC) impediu a venda de novas passagens aéreas até a companhia regularizar o atendimento a passageiros.

Na decisão que decretou a falência da companhia, o juiz afirmou que há indicações de que o grupo não tem qualquer "capacidade de recuperar sua posição de mercado e honrar com seus compromissos".

Logo depois da deliberação, a Transconsult, nova gestora do Grupo Itapemirim, entrou com uma ação na justiça para solicitar a reversão do decreto de falência da empresa.

Na ação, os advogados afirmaram que a decisão foi precipitada e não deu chances para a recuperação da empresa sob o comando da nova gestão, que, segundo a alegação, já apresentava resultados positivos. Um grupo de credores também entrou com ação para tentar reverter a falência.

Os pedidos ainda não foram analisados.

Ricardo Eletro

A varejista entrou em recuperação judicial em 2020. Em 2022, teve a sua falência decretada duas vezes, decisões que acabaram revertidas em ambas as ocasiões. O próximo julgamento sobre o destino da empresa caberá ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Atualmente, a Ricardo Eletro, pertencente à Máquina de Vendas, atua apenas com a venda de produtos no comércio eletrônico. Para 2023, pretende retornar ao varejo físico.

Fundada em 1989 por Ricardo Nunes, em Minas Gerais, a companhia chegou a ter mais de 1000 lojas espalhadas pelo país. As dificuldades financeiras começaram em 2015 e foram agravadas com a acusação de que Nunes sonegava impostos.

Ele chegou a ser preso por isso em julho de 2020 -  à época, ele já não estava à frente da Ricardo Eletro porque tinha vendido a sua participação para Pedro Bianchi, presidente da Máquina de Vendas, em 2019.

No mês seguinte, o grupo pediu recuperação judicial e apresentou um quadro com dívida superior a R$ 4 bilhões. As 300 lojas físicas que tinham resistido foram fechadas e mais de 3,6 mil funcionários demitidos.

O plano de recuperação foi aprovado em assembleia por 75% dos credores, mas ainda não foi homologado pela Justiça. Com um total de 17 mil credores, o plano apresentado foi contestado por 17 deles judicialmente. Nenhum dos credores, contudo, pediu a falência da empresa.

Rossi

Um caso mais recente é da construtora e incorporadora Rossi, que teve o pedido de recuperação judicial aprovado no final de setembro. As dívidas da empresa, bem como as 313 sociedades do grupo, somam mais de 1,2 bilhão.

Entre as razões para a crise financeira, a companhia cita elementos macroeconômicos como a recessão brasileira, aumento da Selic e dos índices de inflação, e os seus respectivos impactos na cadeia imobiliária, como a elevação da inadimplência e dos pedidos de distratos.

De acordo com a construtora, o pedido é a “etapa fundamental no processo de equacionamento econômico-financeiro do grupo", movimentação iniciada em dezembro de 2017, com a reestruturação de dívidas corporativas contratadas junto a instituições financeiras.

Criada em 1980, a Rossi focou na construção de imóveis de médio e alto padrão na região metropolitana de São Paulo. Ao longo da década seguinte, expandiu a operação por estados como Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, movimentação que levou à abertura de capital em 1997.

Atualmente, o grupo conta com um banco de terrenos composto por aproximadamente 19 terrenos, com um valor geral de vendas (VGV) estimado em R$ 1,9 bilhão. A empresa também comercializa mais de 400 unidades imobiliárias de empreendimentos já concluídos.

LEIA TAMBÉM

Marca de barras de proteína investe R$ 35 milhões em fábrica e mira receita de R$ 500 milhões

Demitido por não ter perfil para o setor, executivo tem construtora com R$ 1,5 bilhão de VGV

Como Netão, do Bom Beef, pretende faturar R$ 300 milhões em 2023

Últimas Notícias

Ver mais
Da incorporação para a locação: herdeiro da família Rossi deve faturar R$ 30 milhões com short-stay
seloNegócios

Da incorporação para a locação: herdeiro da família Rossi deve faturar R$ 30 milhões com short-stay

Há 3 semanas

Recuperação judicial: Starbucks anuncia fim do programa de fidelidade, app e cartão de pagamento
seloNegócios

Recuperação judicial: Starbucks anuncia fim do programa de fidelidade, app e cartão de pagamento

Há 4 meses

Americanas, Oi, 123 Milhas e Southrock: relembre grandes recuperações judiciais de 2023
seloNegócios

Americanas, Oi, 123 Milhas e Southrock: relembre grandes recuperações judiciais de 2023

Há 4 meses

Qual o plano de uma gigante do agronegocio do Paraná para se recuperar de uma crise de R$ 1,3 bilhão
seloNegócios

Qual o plano de uma gigante do agronegocio do Paraná para se recuperar de uma crise de R$ 1,3 bilhão

Há 4 meses

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais