Voluntários trabalham para recuperar devastada Ishinomaki

Campus da Universidade de Senshu, na parte alta da cidade, se transformou no quartel-general dos jovens que vêm de todo o Japão para ajudar moradores do local

Ishinomaki, Japão - Limpar barro, reparar casas e distribuir comida: centenas de voluntários trabalham na cidade japonesa de Ishinomaki, arrasada pelo tsunami de 11 de março e onde, pouco a pouco, algumas ruas começam a voltar à vida.

O campus da Universidade de Senshu, na parte alta da cidade, se transformou no quartel-general dos jovens chegados de todo o Japão para ajudar os moradores após a pior tragédia desde a Segunda Guerra Mundial.

Dezenas de tendas de campanha são erguidas na grande esplanada universitária, perto das barracas de comércio na rua onde é feito o registro dos recém-chegados para colaborar nos trabalhos de reconstrução, que tentam acelerar antes da chegada do verão.

Pela última apuração policial, o terremoto e o tsunami de 11 de março deixaram quase 28 mil mortos e desaparecidos, deles 5 mil só em Ishinomaki, a segunda maior cidade da região que fica atrás de Sendai.

A grande massa de água que seguiu ao terremoto de 9 graus na escala aberta Richter invadiu a cidade e apagou do mapa urbano a área portuária, que aparece ainda como uma sucessão de escombros, prédios destruídos e veículos tombados.

Apesar dos restos de barro e os destroços ainda visíveis, muitos dos refugiados que foram para o abrigo por falta de água, gás e eletricidade começaram a voltar para suas casas, que grupos de voluntários tentam tornar mais habitáveis.

"No ritmo atual serão necessários 800 dias para que toda a costa afetada esteja outra vez limpa", calcula Mai Inoue, uma jovem moradora de Sendai que nos fins de semana viaja para Ishinomaki, equipada de botas e grossas luvas de borracha, para participar das tarefas de reconstrução.


Com outros quatro voluntários, Mai se vai até a casa de uma senhora que pediu ajuda: a idosa explica que precisa que alguém retire os grandes tapetes que protegem o chão da moradia, que há mais de um mês ainda continua úmido e torna o local insalubre.

Molhado, cada tapeçaria que cobre o chão das casas japonesas - pode pesar até 100 quilos, por isso que a tarefa de retirada é pesada para os idosos que sobreviveram à catástrofe e que, ao retornar para suas casas a partir dos centros de refugiados, as encontram ainda alagadas.

Enquanto trabalha para levantar o tapete, Akira Watanabe, outro voluntário, conta que viveu de perto o terremoto de Kobe que em 1995 matou mais de 6 mil pessoas. Por isso, quando viu a tragédia de março não exitou em ajudar.

À zona arrasada chegou em 14 de março e desde então viaja pelos povoados litorâneos destruídos para ajudar no que pode, acrescenta, antes de concluir sua tarefa, colocar os móveis no lugar e conectar o televisor que, milagrosamente, funciona e faz com que a idosa se emocione.

Pelos dados da Polícia divulgados nesta segunda-feira, mais da metade dos mortos pelo tsunami e o terremoto foram idosos de 65 anos; aqueles que sobreviveram estão entre os mais vulneráveis e dependem em grande medida do trabalho dos voluntários.

Os últimos números falam de 2.783 mortos e 2.770 desaparecidos em Ishinomaki, quase um terço dos 8.437 falecidos e 7.757 desaparecidos na província de Miyagi, onde ainda quase 45 mil refugiados.

Além dos voluntários, o Exército também atua na cidade. Todos participam das tarefas de limpeza de estradas e retirada dos escombros das ruas para permitir a passagem dos veículos.

O Governo deve começar a construir moradias temporárias na parte alta da cidade para as famílias que perderam suas casas em meados de maio próximo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.