Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Visão de Jeremy Corbyn sobre Brexit é cínica e incoerente, diz Thereza May

May defende que "quando os deputados votarem a saída da UE, determinarão o rumo do país para o futuro"

São Paulo - A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, fez fortes críticas contra o líder do Partido Trabalhista Jeremy Corbyn em artigo publicado neste domingo no jornal Mail Online, afirmando que ele se quer "leu o acordo do Brexit" antes de rejeitá-lo. "Sua política é cínica e incoerente", afirmou em texto replicado também em sua página no Facebook.

Em dezembro, Corbyn submeteu uma moção de desconfiança contra a primeira-ministra. Diferente de uma moção de desconfiança contra o governo britânico, o movimento, direcionado apenas à May, tem caráter simbólico.

"A visão deles [de Corbyn e do Partido Trabalhista] para o Brexit é um exemplo cínico de incoerência, desenhada para evitar decisões difíceis. Ele nem mesmo se deu ao trabalho de ler o acordo fechado e já se posicionou contra. Ele diz a um grupo que irá manter o Reino Unido em um mercado único, enquanto promete a outro o fim da livre movimentação. A todo o momento, ele se mostrou o oposto de um líder, servindo não ao interesse nacional, mas sempre ao seu próprio interesse político".

Ao defender que o Reino Unido se encontra em um momento decisivo, May defende que "quando os deputados votarem a saída da UE, determinarão o rumo do país para o futuro".

Três perguntas

Na avaliação de May, neste momento os deputados devem se fazer três perguntas. "O acordo que negociei prevê o resultado do plebiscito da União Europeia (UE), retirando-nos da UE e restabelecendo o controle soberano sobre as nossas fronteiras, leis e dinheiro? Protege os empregos em que nossos cidadãos confiam para colocar comida na mesa para suas famílias e a cooperação de segurança que mantém cada um de nós seguro? Proporciona a certeza de que cidadãos e empresas têm todo o direito de esperar daqueles que os governam e representam? Eu acredito que meu acordo faz todas essas coisas".

A primeira-ministra afirma ainda que ninguém mais tem um plano alternativo que passe por esses três testes. "Há alguns no Parlamento que, apesar de votarem a favor da realização do referendo, agora querem nos impedir de realizar outro referendo. Há outros tão concentrados em sua visão particular do Brexit que correm o risco de transformar um ideal perfeito no inimigo de um bom negócio", afirma.

May encerra o artigo com um apelo "para o meu partido", o Parlamento e o país: "Neste ano vamos descobrir o novo espírito do propósito comum. Vamos concordar com um acordo do Brexit que nos mova rumo a um futuro brilhante com confiança. Vamos garantir o futuro de nosso Serviço Nacional de Saúde (NHS, na sigla em inglês). E façamos de 2019 um ano para nos orgulhar".

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também