UE e Turquia não conseguem fechar acordos migratórios

As discussões são complicadas por divisões entre os países da União Europeia e por uma série de questões legais e práticas

Bruxelas - Os líderes europeus se reúnem nesta quinta-feira para discutir um possível acordo com a Turquia, a fim de avançar na iniciativa vista como crucial para conter a crise de imigrantes e refugiados.

As partes enfrentam, porém, importantes obstáculos pela frente, mas os europeus dizem que pretendem avançar entre si para definir que oferta fazer a Ancara.

As discussões são complicadas por divisões entre os países da União Europeia e por uma série de questões legais e práticas sobre as condições que a Turquia precisa cumprir e quantas concessões o bloco deseja fazer para avançar.

"Nós realmente entendemos que é uma tarefa hercúlea a nossa, mas temos de fazer isso funcionar", disse o primeiro-ministro da Estônia, Taavi Roivas, a caminho do primeiro dia de conversas em Bruxelas. Segundo ele, as autoridades trabalharão toda a noite, se necessário, para fechar um acordo.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que era "uma possibilidade" que os 28 líderes da UE concordem entre si sobre o que oferecer à Turquia, mostrando estar cautelosa.

A previsão é que, após um acordo dentro da UE, ocorra uma reunião nesta sexta-feira com o primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, para fechar a iniciativa.

A UE quer que a Turquia mande de volta todos os imigrantes que cruzarem o Mar Egeu ilegalmente com a intenção de chegar a ilhas próximas na Grécia.

O principal objetivo é dissuadir imigrantes de pagar contrabandistas para que eles consigam chegar à Europa. Mas, para que a iniciativa funcione, os países europeus precisam fechar um acordo sobre receber uma série de refugiados, o que vários países do bloco rechaçam.

As nações da UE não querem aceitar mais de 72 mil pessoas, em uma troca com a Turquia. Vários países insistem que não são obrigados a aceitar refugiados. Já a Turquia deve pedir que mais pessoas sejam recebidas no continente, porque o país concordou em dar abrigo a 2,7 milhões de refugiados sírios.

Na quarta-feira, autoridades turcas reclamaram de ter de mudar a legislação e conceder proteção a refugiados que não fossem sírios, uma condição exigida para que o país fique em linha com a lei de refúgios internacional e a da UE.

A Turquia quer até o fim de junho um acordo político para que os turcos possam viajar sem visto para as nações da UE. Mas o bloco diz que não haverá concessões em relação a 72 concessões que o país precisa cumprir antes de obter esse benefício.

O conflito entre a Turquia e o Chipre também complica o diálogo. O governo turco quer ainda que a UE dobre o apoio para os refugiados sírios em território turco, para 6 bilhões de euros (US$ 6,7 bilhões), mas as lideranças europeias querem adiar essa decisão até que os 3 bilhões de euros iniciais sejam gastos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também