Trump pede socorro para setor petrolífero após queda de preços

o presidente americano disse que o secretário de Energia e o do Tesouro já estão trabalhando em um plano de estímulo
Campo de extração de petróleo: combustível teve quedas históricas com a pandemia da covid-19 (Christian Hartmann/Reuters)
Campo de extração de petróleo: combustível teve quedas históricas com a pandemia da covid-19 (Christian Hartmann/Reuters)
Por ReutersPublicado em 21/04/2020 15:52 | Última atualização em 21/04/2020 15:52Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta terça-feira, 21, que pediu ao seu gabinete a criação de um plano para injetar dinheiro na combalida indústria petrolífera do país e ajudá-la a sobreviver à queda histórica dos preços do combustível causada, em parte, pelo novo coronavírus.

"Jamais decepcionaremos a grande indústria de petróleo e gás dos EUA. Instruí o secretário de Energia e o secretário do Tesouro a formularem um plano que disponibilizará fundos para que estas empresas e empregos muito importantes fiquem protegidos", tuitou Trump.

Do estado do Texas ao Wyoming, companhias de petróleo e gás norte-americanas vêm lutando para evitar a falência em meio à recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que a população fique em casa para desacelerar o surto da covid-19.

Os contratos futuros do petróleo dos EUA, que é o tipo WTI, caíram a ponto de serem negociados por valores negativos na segunda-feira. Os especuladores que detinham esses contratos pagaram para quem quisesse ficar com eles.

Na semana passada, o secretário de Energia americano, Dan Brouillette, disse que está trabalhando com o secretário do Tesouro, Steve Mnuchin, para quase dobrar o limite de crédito disponível para empresas de energia de médio porte do país. A medida é parte do pacote de estímulo econômico recém-aprovado de cerca de 250 milhões de dólares conhecido como Lei Cares.

A Whiting Petroleum foi a primeira grande produtora a pedir uma renegociação de sua dívida em 1º de abril. Outras, como Chesapeake, Denbury Resources e Callon Petroleum contrataram especialistas em reestruturação de débitos.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) mais a Rússia anunciaram recentemente cortes de produção de quase 10% do suprimento global. A demanda caiu até 30% em meio à pandemia. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os maiores produtores mundiais de petróleo podem voltar a conversar para rever novamente seu acordo de produção se for necessário.