Trump acredita que se relacionará “muito bem” com a China

Trump se comprometeu, em conversa com Xi, a respeitar a política de "uma só China" que representou a base das relações bilaterais desde 1972

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que a conversa da noite de quinta-feira com o colega chinês, Xi Jinping, o faz pensar que ambos se relacionarão “muito bem” e opinou que isso beneficiará “a China, o Japão e todos na região”.

“Tive conversa muito boa ontem (quinta-feira) com o presidente da China. Acho que estamos a ponto de nos relacionar muito bem”, disse Trump em entrevista coletiva junto ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

Trump explicou que a conversa por telefone com Xi foi “muito longa” e ambos abordaram “muitos temas”, nos quais suas equipes seguem “trabalhando atualmente”.

“Acredito que isto funcionará muito bem para todo mundo, para a China, Japão e todos na região”, acrescentou o republicano.

O líder americano se comprometeu na quinta-feira, em conversa com Xi, a respeitar a política de “uma só China” que representou a base das relações bilaterais desde 1972, algo que tinha sido colocado em dúvida antes de chegar ao poder.

A polêmica sobre a política de “uma só China” começou quando Trump falou com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, após ganhar as eleições, o que significou o contato de mais alto nível entre Taipé e Washington em quase 40 anos. Posteriormente, Trump disse que não permitiria que a China o dissesse o que ele deveria fazer.

“Não sei por que temos que estar ligados por uma política de ‘uma só China’, a não ser que cheguemos a um acordo com a China que tenha a ver com outras coisas, inclusive o comércio”, disse em entrevista exibida pela televisão.

Durante a campanha eleitoral e também como presidente, Trump culpou a China (além do México) pelo déficit comercial dos Estados Unidos e pela perda de vagas de trabalho.

Trump disse nesta sexta-feira que continua preocupado com a “desvalorização da divisa” por parte da China e que está trabalhando para que haja “condições de igualdade” para a concorrência econômica em nível global.

“Estamos trabalhando para fazer com que seja justo, e faremos com que seja justo”, afirmou o líder americano.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.