Mundo

Tempestade Humberto atinge as Bahamas, em áreas já devastadas

Segundo meteorologistas, é provável que a tempestade, com fortes chuvas e ventos, se torne um furacão ainda neste fim de semana

Bahamas: Meteorologistas afirmam que a tempestade pode despejar 15 centímetros de chuva em algumas áreas (Marco Bello/Reuters)

Bahamas: Meteorologistas afirmam que a tempestade pode despejar 15 centímetros de chuva em algumas áreas (Marco Bello/Reuters)

R

Reuters

Publicado em 14 de setembro de 2019 às 14h54.

Nassau — A tempestade Humberto atacou neste sábado partes já devastadas das Bahamas, com fortes chuvas e ventos, e meteorologistas afirmam que é provável que se torne um furacão ainda neste fim de semana.

A tempestade deve deixar o noroeste das Bahamas mais tarde neste sábado e se mover em direção ao Oceano Atlântico, bem longe da costa leste da Flórida, no começo da próxima semana, segundo o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, sigla em inglês).

A velocidade dos ventos do Humberto chegou ao ápice de 85 quilômetros por hora, com rajadas maiores, e deve se tornar um furacão na noite de sábado, afirmou o NHC, baseado em Miami, neste sábado.

A tempestade se movimentou pouco na manhã deste sábado, disse o NHC, e estava por volta de 45 quilômetros ao nordeste das ilhas Grande Ábaco. A previsão era que retomasse uma lenta movimentação em direção ao noroeste e ao norte no fim do dia.

Meteorologistas afirmam que a tempestade pode despejar 15 centímetros de chuva em algumas áreas, mas que não deve produzir aumentos significantes da maré no noroeste das Bahamas, que foram devastadas no começo deste mês pelo furacão Dorian.

O Humberto pode, no entanto, prejudicar os procedimentos de auxílio na área, onde milhares de estruturas foram achatadas, e 70 mil pessoas precisam de abrigo, comida, água e ajuda médica.

O Dorian atingiu as Bahamas em 1º de setembro, como uma tempestade categoria 5, um dos mais fortes furacões do Atlântico a atingir a terra, com ventos de 298 quilômetros por hora.

O primeiro-ministro das Bahamas, Hubert Minnis, afirmou que a contagem oficial de mortos pelo Dorian está em 50, mas que centenas de pessoas estão desaparecidas e que o total deve aumentar.

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, chegou a Nassau na sexta-feira, em uma demonstração de apoio internacional. Reuniu-se com pessoas que foram esvaziadas e disse a jornalistas que o Dorian tem que ser um sinal de alerta sobre os perigos das mudanças climáticas.

"Se não revertermos a situação, veremos tragédias como essa se multiplicando e se tornando cada vez mais intensas, mais frequentes", disse Guterres. "A mudança climática está mais rápida do que nós. Precisamos reverter esse tendência."

Acompanhe tudo sobre:BahamasChuvasEstados Unidos (EUA)Furacões

Mais de Mundo

Kamala associa Trump a abusadores e golpistas em 1º comício após desistência de Biden

Kamala bate recorde de doações, conquista delegados e deve fechar nomeação nesta semana

Após fala de Maduro, Lula envia Celso Amorim para acompanhar eleição na Venezuela

Trump se torna o candidato mais velho à Presidência dos EUA, e questões sobre sua saúde se acumulam

Mais na Exame