Sérvia não aceitará refugiados que Hungria tentar devolver

O ministro assinalou que os refugiados que fracassam na tentativa de entrar na Hungria poderão permanecer na Sérvia e retornar aos centros de amparo

Belgrado - A Sérvia advertiu nesta terça-feira que não aceitará os refugiados que a Hungria tentar devolver "à força", depois de Budapeste decidir que o vizinho do sul é um país seguro para onde os litigantes de asilo podem retornar.

"Não pararemos ninguém à força em nosso território e por isso também não permitiremos que nenhum país devolva a ninguém à força para nosso território", declarou o ministro do Trabalho, Aleksandar Vulin.

"Eles (os refugiados) estão no território da Hungria e esperamos que o Estado húngaro os trate como é devido", disse Vulin à agência de notícias "Tanjug".

O ministro assinalou que os refugiados que fracassam na tentativa de entrar na Hungria poderão permanecer na Sérvia e retornar aos centros de amparo.

As autoridades húngaras tinham advertido que, após considerarem a Sérvia um país seguro, devolveriam os solicitantes de asilo que tenham passado antes por lá.

À meia-noite de hoje (19h de segunda-feira em Brasília) entrou em vigor na Hungria uma nova legislação que pune com prisão o cruzamento ilegal da fronteira.

Poucas horas antes, Budapeste terminou de instalar uma cerca ao longo dos 175 quilômetros de fronteira com a Sérvia para impedir a entrada dos milhares de refugiados, a maioria vindos de países em conflito no Oriente Médio, que há semanas tentam chegar à Europa ocidental pela Rota dos Bálcãs, pela qual atravessam Turquia, Grécia, Macedônia e Sérvia.

A emissora de televisão pública sérvia "RTS" informou que três mil refugiados entraram na Sérvia ontem pela cidade de Presevo, onde receberam primeiros socorros e foram registrados, antes de seguir viagem rumo ao norte.

Nos últimos dias dezenas de milhares de refugiados se apressaram para chegar o mais rápido possível à fronteira húngara em uma tentativa de atravessá-la antes da entrada em vigor destas medidas, muito mais duras.

Na Sérvia a preocupação é que, devido ao fechamento da fronteira com o vizinho do norte, os milhares de refugiados permaneçam no país.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também