Rússia ratificará na sexta-feira a anexação de territórios ucranianos

Anúncio acontece depois da organização de "referendos" de anexação em quatro regiões da Ucrânia controladas parcialmente por Moscou
Putin: Rússia ratificará na sexta-feira a anexação de territórios ucranianos (Andrey Rudakov/Bloomberg/Getty Images)
Putin: Rússia ratificará na sexta-feira a anexação de territórios ucranianos (Andrey Rudakov/Bloomberg/Getty Images)
A
AFP

Publicado em 29/09/2022 às 08:04.

Última atualização em 29/09/2022 às 08:06.

A Rússia ratificará na sexta-feira a anexação dos territórios que controla na Ucrânia durante uma cerimônia no Kremlin, onde o presidente Vladimir Putin pronunciará um discurso, anunciou nesta quinta-feira o Kremlin.

Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo na newsletter gratuita EXAME Desperta.

"Uma cerimônia de assinatura de acordos sobre a entrada de novos territórios na Federação da Rússia acontecerá amanhã (sexta-feira) às 15h00 (9H00 de Brasília) no Kremlin", afirmou o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov.

"Vladimir Putin pronunciará um discurso no evento", acrescentou.

O anúncio acontece depois da organização de "referendos" de anexação em quatro regiões da Ucrânia controladas parcialmente por Moscou: Donetsk e Lugansk no leste, Kherson e Zaporizhzhia no sul.

Kiev e os países ocidentais chamaram as votações de "farsas" afirmaram que não reconhecerão a anexação dos territórios.

LEIA TAMBÉM: Anexação à Rússia: dois de quatro territórios fazem pedido oficial a Putin

A Rússia já anexou em 2014 a península da Crimeia (sul), o que também não foi reconhecido pela comunidade internacional.

A união dos territórios ucranianos representa uma escalada na ofensiva da Rússia.

Várias autoridades e analistas russos afirmaram que, quando estas áreas forem anexadas e consideradas por Moscou como parte de seu território, a Rússia poderá usar armas nucleares para "defendê-las".

Putin declarou na semana passada que a Rússia estava disposta a recorrer a "todos os meios" de seu arsenal para "defender" seu território.

LEIA TAMBÉM: