Mais sanções à Rússia: União Europeia propõe "base legal" para teto ao petróleo

Novo pacote é para responder à tentativa de anexação de algumas regiões da Ucrânia, diz presidente da Comissão Europeia
Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia: UE anuncia novas sanções à Rússia (Angelika Warmuth/Getty Images)
Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia: UE anuncia novas sanções à Rússia (Angelika Warmuth/Getty Images)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 28/09/2022 às 12:19.

A Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira, 28, um novo pacote de sanções contra a Rússia para responder à tentativa de anexação de algumas regiões da Ucrânia, segundo anunciou a presidente da entidade, Ursula von der Leyen, em comunicado.

O pacote inclui uma "base legal" para adotar o teto ao preço do petróleo russo, além de novas restrições comerciais e sanções a indivíduos e entidades ligados ao Kremlin.

 Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

De acordo com von der Leyen, o teto ao preço do petróleo exportado pela Rússia ajudaria a estabilizar o mercado de energia global e reduziria a receita russa, ao passo em que manteria a oferta do país a "países emergentes" que precisam do óleo.

Sobre as restrições comerciais propostas, von der Leyen afirmou que a Rússia deixaria de ter acesso a mais bens e serviços da União Europeia (UE), em especial "tecnologias-chave para a máquina de guerra" russa, afirmou.

Países da UE também não poderiam mais importar alguns produtos que, somados, correspondem a 7 bilhões de euros em receita para a Rússia, segundo ela.

As medidas propostas vêm após a Rússia realizar referendo com o objetivo de anexar as regiões ucranianas de Zaporizhzhia, Donetsk, Luhansk e Kherson.

Segundo o Alto Representante da UE (equivalente a um ministro de Relações Exteriores), Josep Borrell, esta tática é a mesma que foi usada pelo Kremlin para anexar regiões da Geórgia em 2008 e a Crimeia em 2014.

"Instamos comunidade internacional a fazer o mesmo", disse a autoridade, após "condenar nos termos mais graves possíveis" as ações do governo de Vladimir Putin.

LEIA TAMBÉM: