Relatório da Anistia Internacional é inexato, diz Egito

Relatório da Anistia Internacional (AI) considera que a repressão segue no Egito três anos depois da revolução

Cairo - O Governo egípcio afirmou nesta quinta-feira que o relatório da Anistia Internacional (AI), que considera que a repressão segue no Egito três anos depois da revolução, é "inexato" e "reflete sua incapacidade de compreender a realidade".

O assistente do Ministério egípcio de Relações Exteriores para Assuntos das Organizações Multilaterais e a Segurança Internacional, Hisham Badr, disse em comunicado que se trata de um relatório "desequilibrado e inexato, e reflete o desprezo de organizações internacionais como a AI".

O Governo egípcio considerou que a Anistia tem "pouca capacidade" para entender a realidade, a evolução e os desafios que o povo egípcio enfrenta, assim como a luta nacional contra o terrorismo e a violência que enfrenta.

No entanto, o Governo reconheceu a "existências de alguns erros individuais de vez em quando".

Além disso, a "ampla participação" no referendo constitucional, realizado em 14 e 15 de janeiro, reflete o desejo do povo egípcio de "passar página", esperando com "interesse" o estabelecimento de um sistema democrático sólido.

"O Governo tem interesse em levar em conta o respeito dos direitos humanos no contexto da luta contra a delinquência, a violência e o terrorismo em seu afã de conseguir a segurança dos cidadãos", apontou Badr.

O ajudante das Relações Exteriores destacou que a nova Constituição protege a liberdade de opinião e expressão, e obriga que o Estado a proteja o direito de manifestação e de reunião pacífica.

A Anistia assegurou hoje que as autoridades egípcias estão reprimindo a dissidência e pisoteando os direitos humanos de um modo "sem precedentes", e que o cumprimento das reivindicações da revolução de 2011 é cada vez mais distante.

No relatório, publicado por conta do terceiro aniversário do começo da revolta de 25 de janeiro de 2011, a AI lamenta que o Governo tenha "reprimido" a liberdade de expressão e as manifestações, introduzido "uma legislação repressiva" e dado carta branca para polícia para "atuar acima da lei".

A organização considera que "a repressão mais flagrante foi a da liberdade de expressão e reunião", e lembra a polêmica lei que restringe os protestos e foi aprovada em novembro.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.