Protestos por morte de negros devem reunir milhares nos EUA

Eles protestam contra as mortes de negros desarmados pela polícia norte-americana e também querem pressionar o Congresso a proteger os cidadãos

washington - Milhares de manifestantes são esperados em Washington e Nova York neste sábado para protestar contra as mortes de negros desarmados pela polícia norte-americana. Eles também querem pressionar o Congresso a proteger os cidadãos.

Organizadores afirmaram que o protesto deve ser o maior contra as táticas da polícia e a morte de negros por policiais de Nova York, Cleveland e Ferguson, no Missouri.

A falta de acusações formais por júris nos casos de Nova York e Ferguson alimentou protestos em todos os EUA.

“Precisamos mais do que apenas palavras, precisamos ações legislativas que mudem as coisas nos livros e nas ruas”, afirmou em comunicado o líder de direitos civis Reverendo Al Sharpton. Sua instituição, a Aliança pela Ação Nacional, está se dirigindo ao protesto.

Sharpton afirmou que o Congresso precisa aprovar uma legislação que permita que promotores federais assumam casos envolvendo a polícia. Segundo ele, há um conflito de interesses quando promotores locais, que trabalham com a polícia regularmente, investigam os próprios colegas.

O protesto de Washington terá a presença das famílias de Eric Garner e Akai Gurley, que foram mortos pela polícia de Nova York; Trayvon Martin, morto por um vigia na Flórida em 2012; e Michael Brown, assassinado por um policial em Ferguson.

A marcha começará ao meio-dia (15h no horário de Brasília) e bloqueará a Avenida Pensilvânia entre a Casa Branca e o Capitólio. Manifestantes devem chegar de ônibus desde locais como Flórida, Connecticut e Pittsburg, de acordo com o website dos organizadores.

Em Nova York, a marcha deve levar cerca de 44 mil pessoas e tem o objetivo de reanimar os manifestantes que arrefeceram após o grande júri ter se negado a indiciar o policial que matou Garner com um golpe conhecido como “mata-leão”, disseram organizadores.

“É temporada de negros agora”, afirmou em comunicado a co-organizadora da marcha de Nova York, Umaara Elliott, referindo-se ao hábito norte-americano de caçar.

“Então exigimos que alguma ação seja tomada em todos os níveis de governo, para assegurar que essas mortes racistas pela polícia finalmente cessem.” A marcha deve começar às 14 horas (17 horas em Brasília) na Washington Square, seguir para o centro de Manhattan e se dirigir até a sede do Departamento de Polícia de Nova York, no sul da ilha.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.