Promessa de reforma policial nos EUA enfrenta limite do poder presidencial

Apesar de um consenso de que o policiamento precisa mudar nos EUA, ainda não parece haver um caminho imediato para uma reforma nacional ampla, dizem ativistas.

Quase um ano depois de o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pedir uma "ação real" contra a brutalidade policial como parte de uma promessa de resolver a desigualdade racial do país, ele enfrenta os limites do poder presidencial.

A Casa Branca descartou uma comissão de supervisão policial proposta nesta semana para se concentrar em um projeto de lei de reforma policial que tem pouca perspectiva no Congresso. A medida coincide com uma revolta crescente contra a morte de mais um homem negro, Daunte Wright, que foi parado pela polícia a poucos quilômetros de onde George Floyd foi morto em maio.

Embora democratas, republicanos, sindicatos policiais e ativistas de direitos civis concordem que o policiamento precisa mudar nos Estados Unidos, ainda não parece haver um caminho imediato para uma reforma nacional ampla, dizem ativistas.

"Dá um pouco a sensação de que empacamos", disse DeAnna Hoskins, ex-conselheira de políticas do Departamento de Justiça e hoje presidente do grupo de ativismo JustLeadershipUSA. "As boas intenções estão lá, mas também sabemos que as boas intenções pavimentam a estrada para o inferno."

Os Estados Unidos têm uma taxa de mortes de civis cometidas por policiais muito maior do que outros países ricos, de acordo com a Prison Policy Initiative. Homens negros correm mais de duas vezes o risco de morrer sob custódia policial do que homens brancos, mostrou um estudo de 2018.

A estratégia da Casa Branca de Biden é dar todo seu apoio a um projeto de lei de reforma abrangente conhecido como Lei George Floyd de Justiça no Policiamento e ao mesmo tempo reformular o Departamento de Justiça, que detém o poder mais tangível do governo federal sobre os departamentos de polícia.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.