Mundo

Possíveis sucessores de Bin Laden na Al-Qaeda

Braço-direito do terrorista morto, Ayman al-Zawahiri passou a ser o nome mais procurado pelgo governo americano

O terrorista egípcio Ayman al-Zawahiri, da Al Qaeda (AFP)

O terrorista egípcio Ayman al-Zawahiri, da Al Qaeda (AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 2 de maio de 2011 às 14h38.

Islamabad, Paquistão - Apesar da morte de Osama Bin laden no domingo, a Al-Qaeda, organização terrorista fundada por ele em 1988, conta ainda com uma série de líderes que podem a partir de agora assumir papéis importantes e aspirar a sua sucessão.

Estes são os 10 membros do grupo mais procurados atualmente pelos serviços de inteligência ocidentais.

- Ayman al-Zawahiri: braço direito de Bin laden e co-fundador da Al-Qaeda. Médico de 60 anos de idade, foi um dos pilares do grupo egípcio Jihad Islâmica antes de conhecer Osama Bin laden no Afeganistão. Atraiu vários militantes e organizou a Al-Qaeda. Assim como Bin laden, a recompensa oferecida por sua captura é de 25 milhões de dólares.

- Saif al-Adel: egípcio, de aproximadamente 50 anos, também egresso das fileiras da Jihad Islâmica, é o suposto líder do braço militar da Al-Qaeda. É acusado de participação nos atentados contra as embaixadas americanas de Nairóbi e Dar es Salaam em 1998. A recompensa por sua captura é de cinco milhões de dólares.

- An War al-Aulaqi: imã radical de 39 anos, de dupla nacionalidade americana e iemenita. Não integra a Al-Qaeda formalmente, mas apoia suas ideias e convoca a jihad pela internet, onde tem granda influência. Em dezembro, o secretário americano da Justiça, Eric Holder, disse que ele representa uma ameaça tão grande quanto Bin laden. Aulaqi buscou refúgio em uma remota província iemenita junto com membros de sua tribo.

- Fasul Abdulah Mohamed: oriundo das Ilhas Comores, na faixa dos 40 anos, é o suposto chefe das redes da Al-Qeda no leste da África. Também estaria envolvido nos atentados de 1998 no Quênia e na Tanzânia e funcionaria como contato dos islamitas somalis. Figura na lista de terroristas procurados pelo FBI desde sua primeira publicação, em outubro de 2001.

- Adam Yahiye Gadahn: cidadão americano, de 32 anos, convertido ao islã. Discursa frequentemente na internet em árabe e inglês para pregar a jihad contra Israel e os Estados Unidos. Washington o procura por traição e por suposta participação em "atos terroristas" com a Al-Qaeda. Uma recompensa de um milhão de dólares foi oferecida por qualquer informação que possa levar à sua captura.

- Suleiman Abu Ghaith: imã kuwaitiano de 46 anos proibido de pregar em seu país pelo tom radical de seus sermões. Juntou-se a Bin laden em 2000. Desde então, tornou-se um dos principais porta-vozes da Al-Qaeda.

- Fahd Mohamed Ahmed Al Quso: iemenita de 37 anos, acusado de ser um dos organizadores do atentado contra o "USS Cole", que matou 17 americanos em 2000. Detido no Iêmen entre 2002 e 2007, suspeita-se que tenha se unido posteriormente às fileiras da Al-Qaeda na Península Islâmica (AQPA).

- Abdullah Ahmed Abdullah: egípcio de aproximadamente 50 anos. Suspeita-se que tenha ajudado Saif Al Adel na implantação e organização da Al-Qaeda no leste da África. Também integra a primeira lista do FBI, com uma recompensa de cinco milhões de dólares.

- Nazih Abdul Hamed Nabih al Ruqai, conhecido como Anas al Liby: líbio, de 47 anos, ex-refugiado político na Grã-Bretanha. Também suspeita-se que tenha participado dos atentados na África em 1998.

- Ali Said Ben Ali el Hurie: saudita de 46 anos. É acusado de ter participado do atentado de junho de 1996 contra as torres Jobar, em Dahran (Arábia Saudita), que causou a morte de 19 militares americanos. A recompensa por sua captura é de cinco milhõees de dólares.

Acompanhe tudo sobre:Al QaedaIslamismoOsama bin LadenPolíticosTerrorismoTerroristas

Mais de Mundo

Legisladores democratas aumentam pressão para que Biden desista da reeleição

Entenda como seria o processo para substituir Joe Biden como candidato democrata

Chefe de campanha admite que Biden perdeu apoio, mas que continuará na disputa eleitoral

Biden anuncia que retomará seus eventos de campanha na próxima semana

Mais na Exame