Por telefone, Putin e Macron conversam sobre morte de Soleimani

Mais cedo nesta sexta, Rússia condenou assassinato do general iraniano pelos EUA, a quem fez elogios

São Paulo — Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da França, Emmanuel Macron, expressaram nesta sexta-feira sua preocupação com a morte do general iraniano Qasem Soleimani após ataque dos Estados Unidos e observaram que "essa ação pode agravar seriamente a situação na região do Oriente Médio".

Durante uma conversa telefônica, "os dois lados expressaram preocupação com a morte do comandante da Força Quds, unidade especial dos Guardiões da Revolução Islâmica, Qasem Soleimani, como resultado de um ataque dos EUA no aeroporto de Bagdá", disse o Kremlin em um comunicado.

Mais cedo, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia havia condenado o assassinato do general iraniano, descrevendo o fato como um "passo aventureiro que levará a um aumento da tensão em toda a região".

"Soleimani se dedicou a defender os interesses nacionais do Irã. Expressamos nossas sinceras condolências ao povo iraniano", diz a nota oficial.

Já o Ministério da Defesa russo lembrou hoje que, "sob o comando direto de Qasem Soleimani, muito antes da criação pelos Estados Unidos da chamada coalizão internacional, a resistência militar internacional era organizada contra o Estado Islâmico e os grupos da Al Qaeda na Síria e no Iraque".

Por esta razão, descreveu como "míope" o que chamou de "assassinato" dos militares iranianos e previu "consequências muito negativas para todo o sistema de segurança internacional".

O Pentágono informou que o ataque, que também matou o vice-presidente da milícia iraquiana majoritariamente xiita, Forças de Mobilização Popular (PMF, na sigla em inglês), Abu Mahdi al-Muhandis, tinha como objetivo deter os planos futuros do Irã.

"O general Soleimani estava desenvolvendo ativamente planos para atacar diplomatas e militares americanos no Iraque e em toda a região", afirmou o Pentágono em comunicado.

O fato ocorreu depois que o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, adiou sua viagem para Ucrânia, Bielorrússia, Cazaquistão e Uzbequistão hoje devido ao ataque à embaixada americana em Bagdá.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.