Parlamentares dos EUA iniciam batalha a longa prazo contra aborto

Pelo terceiro dia consecutivo, defensores do direito ao aborto se mobilizaram para protestar contra a decisão da Suprema Corte de derrubar o que muitos consideravam um direito adquirido há quase 50 anos
Protesto: uma vigília à luz de velas foi marcada para domingo à noite em frente ao tribunal superior perto do Capitólio (Alex Wong/Getty Images)
Protesto: uma vigília à luz de velas foi marcada para domingo à noite em frente ao tribunal superior perto do Capitólio (Alex Wong/Getty Images)
A
AFPPublicado em 26/06/2022 às 19:34.

Parlamentares dos Estados Unidos a favor e contra o aborto começaram neste domingo (26) a travar o que promete ser uma batalha tensa e de longa duração, tanto no nível estadual quanto no Congresso, em uma nação profundamente dividida sobre o assunto, em um momento em que a interrupção de uma gestação pode ser proibida em metade do país.

Pelo terceiro dia consecutivo, defensores do direito ao aborto se mobilizaram para protestar contra a decisão da Suprema Corte de derrubar o que muitos consideravam um direito adquirido há quase 50 anos.

Uma vigília à luz de velas foi marcada para domingo à noite em frente ao tribunal superior perto do Capitólio.

Em um país fragmentado entre estados que já negaram ou negarão em breve o direito ao aborto, garantido desde 1973, e aqueles que o manterão ou até o fortalecerão, divergências de opinião geraram confrontos durante as mobilizações do fim de semana, que provocaram dezenas de prisões e alguns casos de vandalismo.

- Contracepção, pílula abortiva -

Em poucas horas, oito estados impuseram proibições imediatas ao aborto desde sexta-feira - o Missouri o primeiro - e um número semelhante fará o mesmo em questão de semanas.

Em um primeiro panorama das batalhas legais que estão por vir, a maior provedora de aborto do país, a Planned Parenthood, entrou com um processo em Utah para bloquear a proibição do estado.

Os governadores democratas de Michigan e Wisconsin também intervieram para tentar manter o aborto legal nesses dois estados do Meio-Oeste.

Kristi Noem, governadora republicana de Dakota do Sul, onde o aborto já foi proibido em todos os casos, incluindo estupro e incesto, chamou a decisão do tribunal de "notícias maravilhosas em defesa da vida".

Falando no programa "This Week", da rede ABC, Noem também expressou seu apoio à legislação que proíbe "abortos por telemedicina" em que um médico prescreve pílulas para interromper uma gravidez, o que pode se tornar uma opção para mulheres que desejam fazer um aborto em estados onde já é ou será ilegal fazê-lo.

O governador Asa Hutchinson, do Arkansas, argumentou que "forçar alguém a levar uma gravidez até o fim" para salvar um feto constitui um uso "apropriado" do poder do governo.

Os estados devem ajudar mães e recém-nascidos com mais serviços, incluindo adoção, disse Hutchinson no programa "Meet the Press", da NBC.

O republicano, no entanto, se opôs à proibição do aborto em nível federal, objetivo final de vários setores da direita religiosa, ou a imposição de restrições à contracepção, algo que no Arkansas "não será tocado", disse.

- "Espantoso" -

O presidente Joe Biden condenou a decisão da Suprema Corte e a classificou como um "erro trágico".

A melhor esperança do presidente para que essa decisão seja revertida é que os eleitores defendam o direito ao aborto nas eleições de meio de mandato de novembro.

Enquanto isso, os democratas prometeram defender os direitos reprodutivos das mulheres de todas as maneiras possíveis.

Em Wisconsin, onde uma lei de 1849 que proíbe o aborto, exceto para salvar a vida da mãe, pode voltar a vigorar, o governador Tony Evers declarou que oferecerá clemência a qualquer médico que for processado, segundo a mídia local.

A governadora democrata de Michigan, Gretchen Whitmer, prometeu ao seu lado "lutar como o inferno" para defender os direitos ao aborto e disse que uma liminar temporária foi arquivada para esse efeito.

A candidata democrata a governadora da Geórgia, Stacey Abrams, afirmou à CNN que nos próximos dias seu estado proibirá todos os abortos após seis semanas de gravidez. "É terrível, e se eu for governadora, farei tudo o que puder para reverter isso", anunciou.

A congressista progressista Alexandria Ocasio-Cortez alertou que cenários de pesadelo podem em breve se tornar realidade, já que mulheres forçadas a continuar gestações indesejadas devem viajar longas distâncias para estados onde o aborto ainda é legal ou fazer abortos clandestinos.

"Forçar as mulheres a engravidar contra sua vontade vai matá-las", afirmou Ocasio-Cortez à NBC, instando Biden a explorar a abertura de clínicas de saúde em terras federais em estados conservadores para ajudar no acesso a serviços de aborto.

De acordo com uma pesquisa da CBS divulgada no domingo, 59% dos americanos e 67% das mulheres desaprovaram a decisão do tribunal.