Para EUA, Assad está 'desconectado' ou é 'louco'

País criticou o ditador depois que ele disse que não tem culpa na morte dos manifestantes na Síria

Washington - Os Estados Unidos disseram nesta quarta-feira que o presidente sírio Bashar al-Assad é ou "desconectado" da realidade ou "louco" depois que ele argumentou que não era responsável pelas mortes de milhares de manifestantes.

O porta-voz do Departamento de Estado, Mark Toner, reiterou a visão dos Estados Unidos de que Assad perdeu legitimidade e devia renunciar depois que o líder sírio disse, em uma rara entrevista, que "apenas uma pessoa louca" mataria seu próprio povo.

"O Departamento diz que ele perdeu completamente qualquer poder que tinha na Síria, que ele é apenas uma ferramenta ou que está completamente desconectado da realidade", disse Toner aos repórteres. "Ou é uma desconexão ou desconsideração, ou como ele disse, loucura. Eu não sei", disse Toner.

O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, afirmou mais cedo que as opiniões de Assad "não são dignas de confiança". Assad disse em uma entrevista à ABC News disse também que não é dono das forças de segurança que têm agido com violência.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.