Live icon 

Acompanhe ao vivo:  

Apuração das eleições 2022 em tempo real! Veja agora.

Papa sanciona nova lei para evitar abusos infantis no Vaticano

Medida ocorre após momento em que credibilidade da Igreja foi abalada por escândalos de pedofilia
Papa: pontífice definiu lei para reforçar o combate ao abuso sexual contra crianças (Tony Gentile/Reuters)
Papa: pontífice definiu lei para reforçar o combate ao abuso sexual contra crianças (Tony Gentile/Reuters)
R
ReutersPublicado em 29/03/2019 às 15:34.

Cidade do Vaticano - O papa Francisco aprovou nesta sexta-feira uma legislação abrangente para proteger crianças de abusos sexuais dentro do Vaticano e em outras instituições da Santa Sé em Roma, e também nas suas representações diplomáticas de todo o mundo.

Anteriormente, o abuso de menores era tratado por várias cláusulas legais, algumas delas instituídas caso a caso.

A sede da Igreja Católica é um Estado independente comandado pelo papa.

Embora o território do Vaticano seja minúsculo, a nova lei chega no momento em que o papa está exigindo que igrejas de todo o mundo criem suas próprias diretrizes rigorosas para lidar com casos de abuso sexual infantil.

A credibilidade da Igreja foi abalada em grande parte do mundo pelos escândalos de abusos em países como Irlanda, Chile, Austrália, França, Estados Unidos e Polônia. A entidade pagou bilhões de dólares de indenizações a vítimas e forçou o fechamento de paróquias.

Os escândalos chegaram aos altos escalões do próprio Vaticano com a condenação do cardeal George Pell, preso neste mês por seis anos por abusar de meninos de sua Austrália nativa. Ele atuou como tesoureiro do Vaticano e foi membro do círculo de cardeais mais próximo do papa até ser condenado no ano passado.

Outras autoridades graduadas da Igreja foram acusadas de acobertar abusos deliberadamente, inclusive o arcebispo de Lyon, que neste ano foi condenado na França por não denunciá-los.

As novas cláusulas marcam a primeira vez em que uma diretriz unificada e detalhada para a proteção de crianças é compilada para a sede da Igreja.

As mudanças assinadas por Francisco obrigam superiores e funcionários a relatarem alegações de abuso, punirem omissões de relatos e oferecerem assistência a vítimas e familiares.