Oposição alemã bloqueia reforma tributária de Merkel

As principais oposições ao projeto da chanceler são o Partido Social-Democrata (SPD) e os Verdes

Berlim - O projeto de reforma tributária da chanceler alemã, Angela Merkel, foi rejeitado nesta sexta-feira no Bundesrat, a câmara alta do Parlamento, com os votos dos estados governados pelo Partido Social-Democrata (SPD) e os Verdes.

Os planos do eoverno de Merkel eram eliminar o que se chama de "progressão fria", um fenômeno ocorrido quando um aumento salarial leva a uma mudança de tarifa fiscal, que, somado ao efeito da inflação, faz com que o contribuinte perca poder aquisitivo.

A reforma teria significado um alívio fiscal de 6,1 bilhões de euros, à que se opuseram desde o começo o SPD e os Verdes, as principais forças da oposição ao governo de Merkel no Parlamento alemão.

As duas formações consideram os planos do governo socialmente pouco equitativos e condicionaram sua aprovação a uma alta da taxa impositiva máxima.

Após a rejeição da reforma por parte do Bundesrat, onde o SPD e os Verdes têm maioria, agora o governo pode abrir um processo de mediação entre a câmara alta e a baixa para tentar salvar parte da reforma.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.