A página inicial está de cara nova Experimentar close button

O republicano Rick Santorum quer fazer milagre

Após inesperado segundo lugar em Iowa, pré-candidato tenta se firmar como alternativa ao favorito Mitt Romney

São Paulo - Percorre sem parar o estado de New Hampshire em sua pick-up preta, cresce nas pesquisas de opinião e quer fazer um milagre: ajudado "pela graça de Deus", o republicano Rick Santorum espera enfrentar Barack Obama na eleição presidencial de novembro.

Após o inesperado resultado em Iowa, quando perdeu por apenas oito votos para o milionário Mitt Romney, sua pequena equipe de campanha está convencida: Santorum, de 53 anos, teve o necessário para ser "a alternativa" ao pouco carismático Romney.

"Tivemos uma arrancada e temos o entusiasmo", disse Bill Boyd, seu conselheiro, ao evocar as centenas de pessoas que assistiram aos comícios de Santorum em New Hampshire, onde será realizada a próxima eleição primária.

Há algumas semanas, Santorum, católico fervoroso que se apresenta como defensor dos valores tradicionais da família e ex-senador da Pensilvânia com posições econômicas liberais, não contava com mais de 1% das intenções de voto neste estado, onde os republicanos são tradicionalmente mais moderados.

Uma nova pesquisa de opinião realizada na sexta-feira pela rede de televisão local WMUR e pela universidade de New Hampshire, aponta Santorum com 8% dos votos.

Outra sondagem indica que o candidato está em segundo lugar na Carolina do Sul, estado que realizará suas primárias no dia 21 de janeiro.

Contudo, Romney continua na dianteira com 37% das intenções de voto, segundo a sondagem da Time/CNN/ORC. Alguns especialistas já afirmam que caso Romney vença em Iowa, New Hampshire e Carolina do Sul, será certamente o oponente do presidente Obama.


Além disso, para Santorum falta organização e financiamento. Mas, na sexta-feira teve que improvisar uma reunião no estacionamento de um restaurante de Manchester, já que a sala reservada era pequena demais para receber seus partidários, curiosos e jornalistas. As críticas aumentam conforme sua visibilidade.

Na quinta-feira foi vaiado por estudantes em Concord por ter comparado o casamento homossexual com a poligamia. Os manifestantes anti-Wall Street o criticaram quando se recusou a colocar limites nas contribuições para campanhas políticas.

"Esta eleição é sobre a liberdade fundamental", insistiu, ao concentrar seus ataques em Obama, um presidente "que se recusa a dirigir" e cujo "governo não para de engordar".

Entre seus assistentes, Herbert Foote, que trabalha no setor imobiliário, parece ter sido conquistado por Santorum. "Tem convicções e acredito que seja sincero. Seus valores me inspiram", comentou.

Contudo, Cynthia, uma mulher de cerca de 50 anos, sorri. "Isto é New Hampshire", afirma.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também