Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Não seja um capacho, diz Moscou ao governo da Ucrânia

Em meio a um cabo-de-guerra com o Ocidente, Moscou elevou o cacife da aposta ao vincular explicitamente a liberação de um crédito de US$2 bi ao fim de protestos

Moscou - A Rússia alertou na quinta-feira o presidente da Ucrânia para que não se torne "um capacho" sob os pés dos seus oponentes, num claro sinal de que Moscou deseja a reinstauração da ordem no país vizinho antes de entregar mais dinheiro.

Em meio a um cabo-de-guerra com o Ocidente na disputa por influência sobre a Ucrânia, Moscou elevou o cacife da aposta ao vincular explicitamente a liberação de um crédito de 2 bilhões de dólares ao fim dos protestos.

O primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev, disse que a Rússia só pode lidar com "autoridades legítimas e efetivas - uma liderança na qual as pessoas não fiquem esfregando os pés feito um capacho".

É uma imagem poderosa no sentido de revelar como o Kremlin recrimina o presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, por ter cedido terreno aos manifestantes no centro de Kiev.

Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, foi ainda mais incisivo, ao dizer a uma rádio que a prioridade da Rússia no momento é resolver o conflito, e que só depois da restauração da ordem poderá haver um "diálogo pacífico e construtivo".

Na quarta-feira, Yanukovich disse que "assessores" o aconselharam a reprimir os protestos com mais firmeza caso os líderes da oposição não se dissociem de elementos radicais e armados que estão nas ruas.

Fontes familiarizadas com o processo que levaria à liberação da segunda parcela do crédito russo de 15 bilhões de dólares disseram que a decisão agora está nas mãos do Ministério das Finanças, no que se tornou uma questão política.

"Dada a maneira como a situação se desenrolou, pusemos um freio. Cancelamos por enquanto. Mas não significa que o processo não possa ser retomado. A situação precisa se tornar mais clara", disse uma fonte.

"É uma decisão política", afirmou outra.


Em dezembro, a Rússia prometeu uma ajuda financeira de 15 bilhões de dólares a Kiev, além de anunciar uma redução no preço do gás. As ofertas foram vistas por analistas como uma recompensa de Moscou a Yanukovich por ter desistido de assinar um acordo comercial com a União Europeia.

Logo depois disso, a Rússia comprou 3 bilhões de dólares em títulos da dívida ucraniana. A liberação da segunda parcela de ajuda, no valor de 2 bilhões de dólares, era esperada para esta semana, mas agora já não há certeza sobre a data.

A Rússia negou que esteja "comprando" a ex-república soviética, argumentando estar oferecendo um "ato de amor fraterno" com um país que muitos russos veem como extensão do seu próprio, ligado por laços linguísticos e religiosos.

Nesta semana, diante do prolongamento dos conflitos no centro de Kiev, as autoridades russas alteraram abruptamente o seu tom, pressionando Yanukovich comprovar que continua no controle.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também