Ministro israelense diz que é "hora de eliminar" Bashar al-Assad

A declaração ocorre após a divulgação de que o regime de Assad teria usado um crematório para queimar corpos de assassinados em uma prisão

Jerusalém - O ministro de Habitação israelense, Yoav Galant, disse nesta terça-feira que está na "hora de eliminar" o presidente da Síria, Bashar al-Assad, e que o regime sírio está cometendo o pior genocídio desde o nazismo.

"A realidade é que as pessoas são executadas na Síria, sendo atacadas deliberadamente por armas químicas, têm seus corpos queimados, algo que não vimos em 70 anos. Estamos cruzando uma linha vermelha e é hora de eliminar Assad. Literalmente", disse Galant, membro do Conselho de Segurança Nacional e tenente-general do Exército na reserva, informou o jornal "Jerusalem Post".

As declarações de Galant, durante a Conferência Internacional em Guerra de Terreno e Logística em Latrun (nos arredores de Jerusalém) ocorrem após a divulgação nos EUA que o regime de Assad teria usado um crematório para queimar corpos de assassinados na prisão de Sidnaya, nos arredores de Damasco, uma informação que em Israel traz de volta à memória o Holocausto.

Em uma entrevista entrevista à emissora do Exército também nesta terça-feira, Galant apontou que o regime de Assad está cometendo um genocídio e que é o pior regime desde o dos nazistas.

"O que está acontecendo na Síria é definido como genocídio, sob todas suas classificações", assegurou o ministro, que acrescentou que o interesse de Israel é que o governo do Assad caia e seja substituído por um presidente "sunita moderado".

Segundo Galant, o governo de Barack Obama cometeu "um erro estratégico" ao tentar estabelecer boas relações com países xiitas, em vez de apoiar os regimes sunitas.

"O que está por trás da Síria é (a milícia xiita libanesa) Hezbollah, que é apoiada pelo Irã. O Irã é um perigo para a segurança de todo o mundo. O Irã é o problema, não a solução", disse o ministro israelense.

O presidente de Israel, Reuven Rivlin, fez declarações sobre Síria nesta terça-feira e agradeceu ao novo embaixador americano em Israel, David Friedman, pela intervenção militar dos EUA nesse país, o que, segundo ele, demonstrou ao regime de Assad "que as linhas vermelhas não podem ser cruzadas". EFE

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.