Mercosul cobra explicações e desculpas de países europeus

O bloco regional emitiu comunicado rechaçando o tratamento dispensado a Morales por França, Portugal, Espanha e Itália

Brasília – Os representantes do Mercosul - Brasil, Argentina, Uruguai, Venezuela e Paraguai, que está temporariamente suspenso – cobraram, hoje (4), explicações e pedidos de desculpas dos governos da França, de Portugal, da Espanha e da Itália sobre o veto ao avião do presidente da Bolívia, Evo Morales. O bloco regional emitiu comunicado rechaçando o tratamento dispensado a Morales pelos quatro países. Para o Mercosul, fechar o espaço aéreo à aeronave de Morales representou “uma grave ofensa” ao bloco e exige “uma pronta explicação e correspondentes desculpas”.

Anteontem (2), a aeronave de Morales foi impedida de sobrevoar e aterrissar nos quatro países europeus porque as autoridades locais desconfiavam que o ex-agente norte-americano, Edward Snowden, estava a bordo. Morales, que vinha de uma visita à Rússia, onde participou de reuniões sobre produção e exploração de gás, teve de desviar sua rota e permaneceu mais de 13 horas no aeroporto de Viena, na Áustria.

O comunicado do Mercosul foi divulgado pela Presidência da República do Uruguai, que está no comando do bloco. No texto, os representantes do bloco disseram que a proibição à aeronave de Morales representou “uma grave ofensa”. A nota ressalta que a União de Nações Sul-Americanas (Unasul), formada por 12 países, também reagiu ao ato dos europeus com “indignação e profundo rechaço”.

O comunicado acrescenta que a atitude dos países europeus em questão “são incompatíveis com as práticas internacionais, com as normas de boa convivência entre nações soberanas e com o direito internacional”. Para a Unasul “o mais grave” foi risco a segurança a que foi posto o chefe de Estado boliviano e sua comitiva.

Nos Estados Unidos, Snowden é acusado de espionagem e está na Rússia à espera da concessão de asilo político. O ex-agente denunciou que os norte-americanos monitoravam e-mails e ligações telefônicas de cidadãos dentro e fora do país. O norte-americano pediu asilo a 21 países, inclusive ao Brasil, que indicou que não concederá.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.