Mundo

Japão se compromete a cortar importação de petróleo iraniano

Comprometimento atende ao pedido dos Estados Unidos, que aumentaram as sanções contra a República Islâmica em resposta ao conturbado programa nuclear

Timothy Geithner fez um pedido de apoio durante uma visita ao Japão (Saul Loeb/AFP)

Timothy Geithner fez um pedido de apoio durante uma visita ao Japão (Saul Loeb/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 12 de janeiro de 2012 às 08h52.

Tóquio - O Japão prometeu nesta quinta-feira tomar medidas concretas para cortar as importações de petróleo iraniano depois que o secretário do Tesouro norte-americano, Timothy Geithner, fez um pedido de apoio durante uma visita ao país. Os Estados Unidos aumentaram as sanções contra a República Islâmica em resposta ao conturbado programa nuclear iraniano.

Geithner recebeu positivamente a cooperação do Japão, um sinal encorajador para a política externa norte-americana, depois que a China recusou o apoio às sanções dos Estados Unidos, que têm como objetivo atingir os rendimentos iranianos com o petróleo. O produto é vital para a economia do país, de 74 milhões de habitantes.

O Irã poderá ter de enfrentar cortes nas importações de petróleo por parte da China, Japão e Índia, os três maiores compradores, que juntos correspondem a mais de 40 por cento das exportações de petróleo bruto do país.

A União Europeia, um grande comprador, já se comprometeu a banir as importações do petróleo iraniano. O ministro das Finanças do Japão, Jun Azumi, disse que o petróleo bruto iraniano representa 10 por cento das importações totais do produto pelo país. 

Acompanhe tudo sobre:ÁsiaDiplomaciaEnergiaEnergia nuclearEstados Unidos (EUA)IndústriaIndústria do petróleoIndústrias em geralInfraestruturaIrã - PaísJapãoPaíses ricosPetróleo

Mais de Mundo

Fotos de ataque a Trump são usadas para vender bíblias e camisetas na Convenção Republicana

Biden é diagnosticado com Covid-19, diz Casa Branca

Aliança de esquerda anuncia candidato para presidir a câmara baixa do Parlamento francês

Eleições EUA: Biden diz que consideraria desistir de eleição se 'alguma condição médica' o obrigasse

Mais na Exame