Japão anuncia retomada da caça comercial de baleias

Após sair de comissão internacional, o Japão vai retomar a caça nas águas territoriais e na zona econômica exclusiva do país em julho de 2019

Tóquio - O Japão retomará a partir de julho a caça comercial de baleias nas águas territoriais e na zona econômica exclusiva do país, mas encerrará a prática polêmica na Antártida, informou o país nesta quarta-feira, quando anunciou a desfiliação da Comissão Baleeira Internacional (IWC).

Austrália e Nova Zelândia saudaram a decisão de abandonar a caça às baleias na Antártida, mas expressaram decepção pela decisão do Japão se envolver no abate dos mamíferos oceânicos.

A decisão, disseram alguns especialistas, permite ao Japão poupar o dinheiro que gasta para apoiar a caça às baleias na Antártida e ao mesmo tempo adotar uma postura contundente a favor da caça -- uma questão de orgulho nacional para alguns conservadores.

Mas há dúvidas sobre a viabilidade econômica da caça comercial de baleias no Japão, especialmente porque menos pessoas do que nunca estão comendo carne de baleia, argumentaram.

"A partir de julho de 2019, depois que a saída entrar em vigor em 30 de julho, o Japão realizará a caça comercial de baleias dentro do mar territorial do Japão e de sua zona econômica exclusiva, e cessará o abate de baleais no Oceano Antártico/Hemisfério Sul", disse o secretário-chefe de gabinete, Yoshihide Suga, em um comunicado ao anunciar a decisão.

"A caça às baleias será realizada de acordo com a lei internacional e dentro dos limites de abate calculados de acordo com o método adotado pela IWC para evitar um impacto negativo nos recursos cetáceos", disse Suga.

O Japão, que afirma que a maioria das espécies de baleia não está ameaçada e que comê-las é parte de sua cultura, vem fazendo campanha há tempos, e sem sucesso, para a IWC permitir a caça comercial.

O eleitorado de alguns parlamentares influentes inclui comunidades baleeiras, e o distrito eleitoral do primeiro-ministro, Shinzo Abe, sedia o porto baleeiro de Shimonoseki.

A decisão japonesa de se desligar da IWC veio na esteira da rejeição mais recente de uma proposta de Tóquio para retomar a caça comercial em uma reunião de setembro, que Suga disse ter mostrado ser impossível superar as diferenças entre defensores da caça e membros anti-caça.

A retomada da caça comercial é uma decisão incomum para o Japão, que enfatiza o multilateralismo em sua diplomacia, e logo rendeu críticas de grupos ambientalistas e outros que acreditam que todas as baleias deveriam se protegidas.

Em 2014 o Tribunal Penal Internacional determinou que o Japão deveria suspender a caça na Antártida - o que Tóquio fez durante uma temporada, reduzindo o número de animais e espécies visados, mas reiniciou na temporada 2015-2016.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.